21 de jun de 2006

Quando abri esse blog, convidei só as pessoas "mais chegadas" a visitá-lo. Até deixei um tempo o endereço no meu profile, mas não acredito que alguém tenha dado importância. Por isso amigos, quero dividir uma coisa com vcs. Talvez até estranhem de eu falar de certas coisas por aqui, mas eu nunca tive problemas em me abrir, em falar dos meus sentimentos, afinal somos feitos de sentimentos.
Eu já tive muitos momentos de tristeza na minha vida, já sofri muito, como qualquer ser humano. E claro também tive muitos de alegrias! Mas hoje eu vou falar de tristeza, desculpem.
Há dois anos que vivo uma tristeza crescente. Não fazia idéia de como era isso. Porque geralmente ela vem, dura um tempo de acordo com a situação e depois passa. Mas essa começou e só vem aumentando. Eu tento viver a vida, deixando-a de lado, mas há aqueles momentos em que ela se engrandece, toma conta, e me pega pelo pé. Fico tão atordoada em alguns momentos que nem sei como agir. Mas há opções? Só resta vivê-la e agradecer que existem as lágrimas, senão explodiria.Quando penso que não há mais como crescer, ela me surpreende e mostra que sim. E nesse momento eu sei que ela ainda vai ser bem maior e me maltratar muito mais.

Vocês já devem ter tido alguma grande perda na vida. Eu tive algumas. Perdemos , sofremos e seguimos a vida. Porém é demasiadamente doída a perda gradual. Ela vem em etapas e maltrata demais. Vocês sabem do problema que passo com minha mãe. Sabem também o quão importante ela é para mim. Mas nem eu sabia o tamanho desse amor.... Eu a venho perdendo devagar, dia-a-dia, como areia saindo por entre os dedos. Às vezes penso: ela não está mais aqui, mas ela está e demonstra isso em uma palavra, em um carinho. Nossa, como eu a amo, como preciso dela, como ela foi e ainda é importante para mim.

Há algum tempo eu sei que vou perdê-la de vez. Há algum tempo eu peço a Deus que tenha misericórdia e a leve. Prefiro sentir sua ausência definitiva do que vê-la sofrer, do que vê-la como está. Mas Deus, com seus mistérios não me atende. Ando inclusive brigada com Ele. Estou numa fase de não aceitação. Mas com a fé que eu tenho, e com as coisas que acredito, sei que Ele me entende, me conforta e me dá forças para seguir em frente. 
Nesse período que venho passando, passei até a entender as pessoas que cometem a eutanásia. As vezes eu queria ter coragem para fazer isso, mas aí vem um sorriso, um carinho e eu penso: tenho que aproveitar tudo isso. E além do mais eu não sei como eu viveria depois se fizesse isso. E ela com certeza quer que eu continue minha vida e seja feliz. Afinal tudo que ela fez a vida toda foi para que sua família fosse feliz.

É, mas hoje eu sei que este fim está mais próximo, e vem uma imensa confusão de sentimentos. Quando chegar ela terá seu descanso, não vai mais sofrer. Mas como continuar vivendo sem ela? Hoje o médico me disse que o fim pode estar mais próximo que imaginamos. Ela não possue mais massa muscular, seus ossos estão todos expostos sob a pele. O problema de deglutição está aumentando cada vez mais. A cada gole d'água ela engasga. O organismo não absorve mais nada dos alimentos, embora ela se alimente bem. Logo ela terá que usar uma sonda para se alimentar, e qdo isso acontecer ela ficará de vez na cama. 
Sabem, ela adora bombom Sonho de Valsa... O Mal de Parkinson, ao contrário do que as pessoas acham, não é só o tremor. Tem o enrigecimento tb, e 20% das pessoas q tem a doença tem também a demência Parkissoniana, que é como o Alzeimer. A pessoa se torna mais lenta, mas não é só no andar e nos gestos. Os órgãos também vão trabalhando cada vez mais lentos. O médico hoje cortou metade da medicação, porque não adianta mais nada. Ela tem diversos pontos com chance de ter escaras. Mas no final da coluna se abriu uma que fechou algumas vezes. Porém agora não fecha mais, é algo muito feio de se ver. O Jair, nosso médico, que cuida de mim há 20 anos e que é um anjo na minha vida, disse que não há mais o que fazer, vai aumentar e dali provavelmente virá uma sepcemia (é assim?). Ela dará entrada no hospital, de onde não sairá mais. Geralmente a pessoa que tem Parkinsson morre de pneumonia. Será do que vier primeiro. Quando será? Não sei. Não sofrer por antecipação? Impossível.

E sabe por que divido isso com vcs? Porque os amigos reais e a família, com excessão do meu irmão, cunhada, sobrinha e mais quatro pessoas, sumiram há algum tempo. Uns porque não quiseram e outros porque dizem que não aguentam ver tudo que está acontecndo. Mas vcs entraram na minha vida, meus amigos virtuais que tanto carinho têm me dado. Obrigada, vcs são muito importantes para mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário