15 de dez de 2006

um dia de fúria

Muitas vezes me lembro de uma lição que minha mãe me ensinou e que repetiu algumas vezes. Hoje estou pensando sobre isso: “a diferença entre ser boa e ser boba”.
De repente você para e percebe que algo está errado, que limites estão sendo ultrapassados e que talvez para evitar se aborrecer, se magoar, você vai levando.
Hoje meu dia começou muito bem, mas ao chegar ao trabalho, uma coisa aconteceu e acendeu a luz vermelha. Nada muito sério, mas muito repetitivo e me dei conta do quanto isso anda me desgastando. Mudei totalmente minha postura, nada de sorrisos, de paciência. E é engraçado como fez efeito. Alguns comportamentos mudaram.
A partir de como eu estava, ou melhor, estou me sentindo, e aí enumero uma porção de sentimentos, pois estou puta da vida, estou aborrecida, estou triste, estou decepcionada etc etc, variando entre a vontade de mandar um a merda em alto e bom som e chorar.
O que aconteceu é que a primeira coisa que aconteceu foi um estopim inicial e desencadeou uma série de outras coisas. A partir daí comecei a pensar no que tem acontecido e que eu estou “levando”.
Uma amiga me diz: “não fica assim, procura pensar em outra coisa, hoje é sexta-feira, amanhã pode dormir até tarde, ir passear...” E eu respondo a ela: “não quero esquecer, quando isso acontece é necessário parar e encarar, descobrir tudo que está incomodando, que precisa ser mudado e tentar fazê-lo, porque se deixarmos de lado, se ignoramos, logo logo volta a incomodar.”
Sendo assim, é hora de parar, analisar uma série de coisinhas, ver tudo que precisava ser mudado para continuar em frente. Todas as providências que precisam ser tomadas para tentar evitar que certas coisas te aborreçam, entristeçam ou magoem. Não posso mudar a forma de ser das pessoas, eu sei. Mas posso me proteger melhor, procurar inclusive, a medida correta para alguns relacionamentos. Algumas coisas sei que nunca vou conseguir mudar em mim, até porque mesmo que elas, as vezes, me façam sofrer, eu gosto de ser como sou em vários aspectos. E sem falsa modéstia, acho que a outra pessoa, na maioria das vezes, e quem sai perdendo.
Outro dia conversava com alguém e falamos de sensibilidade. A pessoa me disse que eu sou muito sensível e por isso fácil de ser magoada. Disse também que eu procuro por pessoas mais sensíveis e não encontro, então me decepciono. Lembro que até comentei que às vezes me sinto como se tivesse nascido na época errada. Será?
Pensei muito nisso. Sou mesmo muito sensível e acho bom ser assim, não quero endurecer nem me fechar no egoísmo. Gosto de pensar no outro, de agradar o outro, de me preocupar com o outro. Nem todas as pessoas do meu círculo de relacionamento são assim, mas há alguns, e isso é bom. Quanto aos que não são, às vezes fazem eu me sentir desse jeito que estou hoje, mas passa. Vou mudando algumas coisas, me readaptando as situações e a vida continua.

Eu não poderia deixar de fazer um comentário. Toda vez que me lembro disso que minha mãe falava, lembro de outra coisa que minha avó falava: "quem muito se abaixa mostra a bunda!!!" .
Eita sabedoria!! Coisa de mineira

3 comentários:

  1. Hehehehehehe, eu não tinha lido ainda esse seu post, e me identifiquei bastante com ele, sabia? Nesse final de ano, principalmente, me vi em vários dias de fúria como esse que você comentou, só que, em vez de você, eu não tenho vontade de mandar tudo à merda e chorar, não. Eu tenho vontade de mandar à merda e sair com uma 12 igual ao Michael Douglas no filme! Por que quando você é gente boa com as pessoas, procura entender e tentar consertar as coisas, você toma na cabeça? Nunca entendi isso. E a vontade que dá é de chutar o balde mesmo...
    Porém, acho que ainda dá para ter um dedinho de esperança para com as pessoas. Num mar de contrariedade sem fim, não há uma única vez em que você não seja surpreendido por um gesto legal, às vezes vindo de alguém que você menos espera. E isso dá força para prosseguir caminhando e segurar a vontade de usar a 12, hehehehehe!
    Beijocas!!!
    01 de janeiro 14:39

    ResponderExcluir
  2. Hehehehehehe, eu não tinha lido ainda esse seu post, e me identifiquei bastante com ele, sabia? Nesse final de ano, principalmente, me vi em vários dias de fúria como esse que você comentou, só que, em vez de você, eu não tenho vontade de mandar tudo à merda e chorar, não. Eu tenho vontade de mandar à merda e sair com uma 12 igual ao Michael Douglas no filme! Por que quando você é gente boa com as pessoas, procura entender e tentar consertar as coisas, você toma na cabeça? Nunca entendi isso. E a vontade que dá é de chutar o balde mesmo...
    Porém, acho que ainda dá para ter um dedinho de esperança para com as pessoas. Num mar de contrariedade sem fim, não há uma única vez em que você não seja surpreendido por um gesto legal, às vezes vindo de alguém que você menos espera. E isso dá força para prosseguir caminhando e segurar a vontade de usar a 12, hehehehehe!
    Beijocas!!!
    01 de janeiro 14:39

    ResponderExcluir
  3. Sabes? E' bem verdade tudo isso.
    E' a decepcao X ilusao...
    Mas nao e' tao simples assim... Ontem eu estava pensava nisso apos escrever noutro Blog...
    Tb conheci uma frase ha' mais de 30anos que dizia: "Cristao e' bonzinho, mas nao e' bobo"...
    Entao... teve o Buda que nos disse para escolher o "caminho do meio", sem os extremos...
    Resumo da opera?
    A vida e' complicada mesmo, especialmente qdo somos pessoas especiais como vc e fica dificil acreditar que os "bons" sao, hoje, aberracao, e que por isso, qdo vc descobre gente "tao diferente", toma um susto (decepcao) daqueles.
    Sei que o texto e' antigo... mas, ve? podia ter sido escrito hoje...
    Bjs!

    ResponderExcluir