22 de fev de 2006

Hoje me lembrei de uma pergunta que minha mãe me fez algumas vezes: "Onde está aquela menina meiga que vc era?" E eu respondia: "A vida levou...".

Às vezes eu tb sinto saudades dela. Mas a vida realmente a levou. Pelo lado profissional, tive que aprender a sobreviver no mundo do "Clube do Bolinha", numa época onde poucas mulheres trabalhavam no Mercado de Capitais. No lado pessoal, muitas decepções, de diversos tipos, tb me fizeram criar defesas. Com o tempo isso muitas vezes ficou difícil de administrar. Vc já se sentiu como se tivesse nascido na época errada? Como se não coubesse nesse mundo de hoje? Muitas vezes me sinto um verdadeiro ET. "Verdade". Esse sempre foi tb um problema meu. Nunca soube fazer gênero ou usar as "máscaras" da vida. Muitas vezes isso me causou problema, por ser verdadeira demais. Quando eu tinha uns vinte anos, um amigo me disse que eu mesmo dava as armas para que as pessoas lutassem contra mim. Isso porque sempre fui muito transparente. Estou errada? Deveria mudar? Vivo hoje um momento onde a minha sensibilidade está mais à flor da pele, e eu tento viver sem parar para pensar, porque isso me faz sofrer, me deixa triste. Algumas vezes olhei para cima e perguntei à Deus por que eu não podia ter um pouco de "vida besta" daquela cheia de rotina. Gostaria de ter um pouco disso.Mas apesar de todos os problemas que isso possa me causar, não me arrependo de nada, sou o que sou. Não sei ser diferente. Nos últimos tempos optei por me isolar um pouco mais que de costume. Tenho sido uma boa companhia para mim mesma. E talvez por isso encontre mais dificuldade em me relacionar com as pessoas. Vivo numa montanha-russa de sentimentos e as vezes é difícil conjugar o momento que vivo com o resto da realidade. Mas de uma coisa as pessoas nunca poderão me acusar, de não ter sido sincera, seja nas minhas palavras, seja nas minha atitudes. Ou gosto ou não gosto. Tenho dificuldade com o meio termo, ainda mais quando se trata de sentimentos. Sempre me entrego de corpo e alma. Sei que não deveria ser assim. Não é racional. Mas quem disse que quero ser racional? Já basta no trabalho. Sou emoção. Gosto de ser emoção, por mais que isso possa me fazer sofrer. "Eu sou eu, é lindo, é vasto, vai durar" (Clarice Lispector).

12 de fev de 2006

Já aconteceu de vc achar que sentimentos e/ou acontecimentos tivessem sido deletados do seu coração e/ou do seu cérebro e de repente tudo aquilo cai sobre vc como uma enxurrada? Foi o que me aconteceu hoje. Sentimentos e acontecimentos que eu acreditava já estarem resolvidos há anos e eis que eles desabam sobre mim num mesmo momento e me jogam no chão.

Sai da rota. Um sentimento tão bom e outro tão ruim acontecem ao mesmo tempo e eu não sei a qual dar atenção. Qual lado meu precisa mais? Não sei a resposta! Há uma mistura de sensações e de imagens que me atordoam... Por alguns minutos perdi o controle de mim mesma.

Mas tenho que voltar a minha rota inicial, ao ponto onde parei, a vida segue.

10 de fev de 2006

Um reencontro... um recomeço...


Não sei bem em que época da minha vida me separei das palavras. Cortei o vínculo de cumplicidade que existia entre nós.

Não que esse espaço será algo "especial", mas quero ver se consigo expressar meus pensamentos e sentimentos. Ah! quer saber? sei lá! Não vou planejar, vou deixar fluir. Só fico com pena de vcs que vão ler rsssss