29 de jul de 2006

Muitas vezes estive diante dessa tela depois que minha mãe se foi, mas não consegui escrever nada. Não existem palavras que traduzam o que aconteceu , o que senti e o que estou sentindo. Tudo que escrevesse seria pouco.
Mexendo nas coisas dela, encontrei algo que ela escreveu para minha avó. Não tem data, mas sei que foi muito tempo depois de minha avó ter morrido.

" O seu nome é grande

Sua alma é pura

Seu amor infindo

Seu olhar tranquilo

Seu rosto tão calmo

Seu sorriso lindo

Que saudade imensa eu sinto de você.

Grande igual seu nome

Puro igual sua alma

É o amor que sinto

Porém em meu rosto não existe calma."

A doença tirou muito dela, só não tirou a coisa mais importante que ela tinha: o amor, o carinho... sua essência.
Cada vez que abro a porta do meu apartamento qdo chego do trabalho, sinto falta dela abrindo os braços para ganhar um abraço e beijos. Ela sempre foi "grudenta". Beijos e abraços era rotina em nossas vidas.
Suas últimas palavras para mim e para meu irmão, separadamente, foi "Que Deus te abençoe"