24 de nov de 2007


O comentário que o Beto fez no tópico onde eu postei sobre meus trabalhos manuais, dizendo que eu sou uma pessoa delicada por causa disso, me levou a pensar.
Nos últimos tempos de orkut, eu estava frequentando algumas comunidades de artesanato, trabalhos manuais diversos. O que mais me impressionou nessas comunidades é que você não vê uma briguinha sequer, ao contrário da maioria das comus sobre outros assuntos. As pessoas são de uma gentileza, carinho e paciência, impressioante. Todas sempre prontas a tirar as dúvidas que surgem, a ensinar e dividir o material que possuem. É realmente um grande grupo de amigas. Todas sempre se bom humor e prontas a ajudar a comunidade a crescer, se organizar. Com certeza a maioria das pessoas que fazem esse tipo de trabalho, seja por hobby ou como profissão, têm seu melhor lado aflorado.

Comecei a fazer trabalhos manuais por volta dos 10 anos. Sempre tive facilidade para aprender as técnicas e tinha o maior prazer. Sempre foi um hobby, mas também uma fonte de renda quando precisava engrossar o dim dim. Sempre consegui vender fácil tudo que eu fazia e não podia pegar todas as encomendas por falta de tempo. Hoje vejo que sempre que passei um tempo sem produzir nada, isso me fez falta.
Na época que trabalhei no mercado de capitais em mesa de operações, foi o trabalho manual que muitas vezes me ajudou a encontrar um certo equilíbrio, a não deixar o meu lado "humano" sumir por completo. Quando estou fazendo algum trabalho, ele faz eu me desligar por completo e pensar melhor nas coisas. Muitas vezes encontrei solução para problemas, ou enxerguei certas coisas, nesses momentos.
Infelizmente na época que eu mais precisava dele nesse sentido, que ele podia me ajudar, eu fiquei afastada dele. Foram mais de 2 anos sem produzir nada. Este ano eu tive uma fase em que precisava me reequilibrar. Me recolhi e me dediquei ao bordado em todo tempo livre que eu tinha. Foi muito bom prá mim. Eu estava tendo dificuldade em reencontrar um equilíbrio emocional perdido nos últimos acontecimentos. E realmente fez efeito. Porém quando achei que tudo estava ficando bem veio a novidade na minha vida profissional que me deu uma derrubada. Sei que prá muita gente é complicado entender todas as coisas que passei, parece que as torno maior do que realmente foram, mas só quem passa o dia-a-dia dessas situações pode realmente avaliar. Mas não vou me alongar nisso.

Tenho proposta de voltar a trabalhar para empresas, mas a idéia de ficar trabalhando com artesanato é algo muito forte em mim. Sempre foi um desejo um dia me dedicar a isso e acho que chegou a hora. Claro que dá uma certa insegurança você partir para um trabalho completamente diferente, trabalhar por conta própria, mas estou animada com isso.
Por enquanto estou numa longa férias. Estou me dando um tempo para me desintoxicar de muita coisa. E a decisão de me afastar da vida virtual também tem me ajudado muito porque estou ficando mais em minha companhia. Sempre cuidei de pessoas, e hoje não tenho ninguém para me preocupar, só comigo mesmo. Como passei muito tempo sem fazer isso, encontrei muita dificuldade. Então dei essa parada para me redescobrir. Algo que venho tentado fazer nos últimos meses, mas sem muito sucesso. Tenho me dedicado a minha casa, a organizar minhas coisas, a arrumar aquilo que há tempos estava sendo deixado prá depois, e principalmente mexer com meus trabalhos. Sei que será através deles que vou conseguir sucesso no que quero e preciso. Ele faz aflorar o melhor de mim.
Trabalhar naquele meio doido que eu trabalhava, faz qualquer um gastar energia demais. Você está cercado de coisas negativas, de pessoas falsas, estressadas, cada uma querendo derrubar o outro e coisas assim que conhecemos bem. Isso fazia com que eu depois de anos e anos estivesse sempre na defensiva e pronta para tudo. Hoje, longe de tudo isso, minha guarda baixou. Me sinto mais sensível, livre, mais calma... Por isso preciso de um novo equilíbrio. Quero resgatar alguém que está perdido em algum lugar dentro de mim.

Então Beto, as pessoas que mexem com esse tipo de trabalho são mais delicadas e sensíveis sim, e que bom que você conseguiu ver isso em mim mesmo antes de saber que eu mexia com isso e apesar do momento que eu passava.

14 de nov de 2007

o jogo do contente

Vocês conhecem Poliana? Uma menina que jogava o "jogo do contente", sempre procurando ver o que havia de positivo em cada coisa que acontecia? Ultimamente tenho feito muito isso.
Desde que voltei de viagem que estou em casa. Devo ser a única desempregada feliz nesse mundo :P Tem sido muito bom estar em casa e ter tempo prás coisas que quero. Em momento algum senti falta de sair para trabalhar e muito menos do meu antigo trabalho.
Lembram do dia da grande chuva que fechou o túnel rebouças e causou um caos no Rio de Janeiro? Pois é, eu passava por aquele túnel para ir trabalhar. Liguei pro meu irmão e falei do caos que estava o Rio e de como era bom saber que eu não precisava sair de casa hahaha. E ele: isso, sacaneia!!! Como é bom domingo a noite saber que o dia seguinte é uma segunda-feira e eu posso acordar na hora que quiser. Como é bom ter que ir ao shopping, como hoje, e poder fazer isso as 2h da tarde de uma quarta-feira e encontrar o shopping vazio. Gosto muito de fazer as coisas a noite e tem sido bom ficar acordada até tarde sem ter que me preocupar com o horário de acordar no dia seguinte.
Praticamente todo feriado eu ficava em casa para descansar. Detesto engarrafamentos e pensava que voltava de viagens mais cansada que ía e que no dia seguinte tinha que acordar cedo para trabalhar. Mas as coisas mudaram e a turma está surpresa que vou viajar com eles. Afinal agora eu tenho que sair para descansar de ficar em casa, né? haha e o melhor... não tem que sair para trabalhar no dia seguinte :) eita vidinha mais ou menos....


Um ótimo feriadão prá todo mundo!!!! bjussss

11 de nov de 2007

Barcelona - Fundação Miró

Não pode tirar fotos das obras no interior e eu sou daquelas que respeito muito isso e me incomoda ver os que mesmo com o aviso, teimam em fotografá-las. Sei que muita gente não gosta de guias ou de usar o aparelho de áudio que alguns lugares disponibilizam. Pois eu gosto muito, aprendo bastante. E foi usando o aparelho de áudio que compreendi mais as obras de Miró e passei a vê-las com outro olhar.











muito sexy, não?




Alguns trabalhos que vi mas não pude fotografar e peguei na net.


E eis o artista!!

8 de nov de 2007

madri e arredores...

bem, como vcs sabem perdi a máquina com a maioria das fotos de madri... as que não estão nítidas é porque tirei com aquelas máquinas descartáveis..









estive também em ávila, segóvia, toledo, escorial e vale dos caídos, lugares belíssimos.. seguem poucas fotos








5 de nov de 2007

bacalhau zé do pipo

A-do-ro! bacalhau e faço de diversas formas, mas o preferido por mim e  minha turma é esse. E em tempos de retrospectiva, trouxe a receita de volta.

Aprendi essa receita com uma portuguesa. Coloque o bacalhau de molho no mínimo 24 h antes, lave bem e coloque na geladeira. Troque a água pelo menos umas 4 vezes. Faça um purê de batatas, use a batata rosa de preferência. Nesse purê usei umas 12 batatas médias, 2 ovos, 1 colher de manteiga, um pouco de noz moscada e sal a gosto. Coloque o purê ao redor da travessa e o bacalhau no centro, regando-o com azeite de tanto em tanto. Depois de todo arrumado, coloque as azeitonas.





Por último cubra o bacalhau com maionese. Não pode ser light. 
Passe maionese também sobre o purê para dourar




E ei-lo!!! Fica muito gostoso!!! Aqui em casa faz sucesso e este foi feito para Raven e Milinha que passaram o feriado aqui comigo. Irmão e cunhada chegaram de viagem a tempo para o almoço de domingo e também cairam no bacalhau.


Bom Apetite!

ps Eu gosto muito de cebolas, porém se você colocar junto com o bacalhau, ela solta muita água. O que pode fazer é um molho de cebolas e colocar antes de cobrir com a maionese. Como tem gente aqui que não gosta, eu mantenho numa vasilha a parte para quem quiser. Se preferir, também pode passar i bacalhau primeiro numa frigideira com bastante azeite e dar uma leve dourada.

saudade...

Estava mexendo num monte de cd's procurando por algo que não achei.. mas no meio de tudo encontrei algo que nem imaginava que tinha... e isso me deu saudades...
No início me parecia saudade de um alguém, mas depois me dei conta que na verdade era saudade de um tempo. Um tempo não muito longe.
Eu queria escrever sobre isso, mas não conseguia, não encontrava palavras. Fui ao google e chamei por saudade... nada de muito bom. Então chamei imagens de "saudade". O que eu encontraria? bem, quase nada... Acho que descobri que saudade é algo muito difícil de ser transformado em palavras ou imagens.
A pior saudade é aquela que você sabe que não poderá "matar". E não estou me referindo apenas a pessoas que já se foram, mas a pessoas que estão vivas, mas que você tem absoluta certeza de que não mais estará com elas. Me refiro a situações que jamais serão revividas. A inocência que você não terá mais, ao carinho que não dará nem receberá novamente, a verdade que não foi entendida, aquele momento tão especial que valeu por uma vida quando aconteceu... nossa, tanta coisa....
Saudade enche o peito e você sente que ele pode explodir a qualquer momento e só há uma coisa que consegue aliviar isso. Ao mesmo tempo que enche, trás um enorme vazio. Saudade dói e dói muito. E é a saudade que mais ti faz sentir a incapacidade de poder voltar atrás no tempo.
Melhor parar de falar dela e sentí-la simplesmente.