22 de ago de 2009

indignação

Eu me sentei aqui para escrever sobre um assunto totalmente diferente, mas ao ler uma reportagem no site globo.com, vi que era sobre isso que tinha que escrever. Sim, eu tenho uma enorme necessidade de escrever sobre esse assunto que há dias me faz mal. Me refiro as situações causadas por um ser, que humano não é, de nome Roger Abdelmassih.
A reportagem que acabei de ler é essa aqui . Após ler eu olhei por algum tempo para o rosto dessa mulher e fiquei com um nó na garganta. Somente ao começar escrever aqui foi que consegui chorar. Essa é a foto da dor.


Essa história veio a público no final do ano passado, se não me engano, mas já tínhamos nos esquecido, não é mesmo? Mas elas não. Elas nunca esqueceram e nunca esquecerão. Mulher nenhuma esqueceria. Provavelmente algumas pessoas vão pensar que esse não é um assunto próprio para se escrever num sábado a noite, mas essas coisas não tem hora. Nesse exato momento muitas mulheres em diversos pontos do nosso planeta estão sofrendo algum tipo de violência. Não podemos fazer de conta que isso não existe. Não podemos evitar assuntos como esse para não trazer coisas ruins para dentro da nossa vida. Temos que ler e nos indignar, mesmo em silencio na frente do nosso pc. Temos que ter um pensamento de apoio por essas mulheres.

Aí você pensa... Você que já passa por uma situação muito delicada que é a de querer ser mãe, algo que deveria ser tranquilo para toda mulher, procura um médico, que não é qualquer um, é considerado o melhor, em busca de ajuda e.... Eu deixei de ir a um ginecologista simplesmente porque no final do exame ele me disse que eu tinha os seios muito bonitos. Para muitos isso pode parecer besteira, mas ele não podia ter esse tipo de olhar para meus seios, muito menos verbalizar isso. Agora tento imaginar acordar depois de um procedimento médico e me deparar com o "doutor" me beijando, me apalpando. Saber que fui estuprada por essa coisa.
Ainda penso em outras mulheres, nas que estão na vida dele, esposa, filhas, netas. Quantas vidas ele conseguiu destruir.

O que ele merece? Penso em tantas coisas e nenhum castigo me satisfaz. Ele desperta meu lado ruim, aquele lado que todos temos mas que fazemos tudo para que se mantenha bem escondido e inativo.
Ao ver esse homem com cabelos brancos, lembro de uma coisa que aprendi ainda na minha adolescência: "nunca respeite um homem por seus cabelos brancos, porque os canalhas também envelhecem"

4 comentários:

  1. É. A vida é mesmo dura. Mais duro ainda é saber que a nossa indignacao as vezes nao ganha procedencia. Agrego-me a ti neste post e declaro guerra a este e a todo tipo de violencia.
    Tenho coisa nova no Alma de Gorda!
    Apareca!
    beijo e um lindo domingo!

    ResponderExcluir
  2. Meu estômago se embrulha e meu coração de aperta só de pensar nessa situação.

    É um absurdo estarmos em pleno século XXI e presenciarmos a reiterada prática desse tipo de comportamento bárbaro! Que raio de evolução da humanidade é essa?

    Corroborando o seu post, Luci, há este post de José Saramago a respeito da violência contra a mulher que, acho, vale a pena ser lido: http://caderno.josesaramago.org/2009/07/27/problema-de-homens/

    Beijos pra você!

    ResponderExcluir
  3. Tenho tanto nojo deste cara que não sei nem o que dizer... aff... isso não é ser humano... não merece estar entre nós...

    Muito bom seu texto, faz refletir.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Lamento saber que um ser? criatura?
    coisa?...n sei como chamá-lo...possa ser tão pobre!

    Faço aki, agora um minuto de silêncio em respeito às vítimas desse ser? criatura? coisa?...Que nome se dá a uma coisa tão inferior?...N eu sinto ódio n, acho que sinto pena!!!

    ResponderExcluir