12 de out de 2009

exposição no museu de arte contemporânea de niterói

(painel no bistrô do museu)


Gosto muito de arte, assim como tantas outras pessoas, mas gostar de arte não quer dizer que você tenha que gostar de todo tipo de arte. As diferenças são interessantes e saudáveis quando há o respeito pela opinião do outro, o que nem sempre acontece. Muitas pessoas acham que se o outro não gosta, não admira o mesmo que ela, é menos culto, menos inteligente ou algo assim.
Eu nunca me relacionei bem com o Abstrato, em nenhum tipo de trabalho. Numa grande maioria não me dizem nada. Isso não quer dizer que eu pense que não existe nenhum sentido, mas para entender eu precisaria saber o porquê da obra, sua história. Tanto que lá na exposição ouvimos a explicação de duas obras e só assim conseguimos entender o que o artista quis dizer. Sendo assim, penso que ao lado da obra deveria ter algum resumo para que as pessoas pudessem entender melhor. Sim, eu sei que tem o objetivo de "ver" o que a obra nos diz, mas sinceramente, quase nunca me diz alguma coisa. Mas vamos lá... Fotografei alguns, os que mais me chamaram a atenção, mas que não me dizem absolutamente nada e não consigo ver como arte.


Arte Contemporânea Brasileira - Coleções João Sattamini e Museu de Arte Contemporânea de Niterói
"Um dos mais representativos conjuntos de obras produzidas no Brasil nos últimos 50 anos. O acervo abrange a consolidação da arte abstrata no país nos anos 50"

Nocturnos (transportável) nº4 2003 - Artur Barrio
(pães, madeira e tecido)

Sem título, 2003 - Raul Mourão
(quando não tem título fica mais difícil ainda de tentar entender)



(não registrei, mas é uma grade de ferro de cabeça para baixo )

Sem Título - Sem Data - Tunga, Antonio José
(chumbo e folha de ouro)


(também não registrei)

Ocorrências, 1976 - Ivens Machado
(são folhas de caderno em branco)


(também não registrei, mas acho que nesse caso a culpa foi do susto)

Mais fotos sobre nossa visita ao museu aqui

3 comentários:

  1. Não acredito que você conseguiu ver isso até o final. Isso para mim não é arte. Putz

    ResponderExcluir
  2. "De artista e louco todo mundo tem um pouco"...nem arte nem loucura!...???
    Mas td bem!
    E, como ja diazia o Gonzaguinha...
    "É a vida, é bonita e é bonita...viver e n ter a vergonha de ser feliz"

    ResponderExcluir
  3. Para entender a arte e seu signficado, tem que se ter uma dose de sensibilidade.
    Como disse Freud:
    Toda a arte é inútil.
    Ao olhar para os pães de Barrio, não podemos esperar utilidade, seu trabalho é efêmero.
    Confira em:
    www.arturbarrio-trabalhos.blogspot.com

    ResponderExcluir