26 de nov de 2009

Uma das faces do amor


Acabei de ler um texto ótimo lá no Feito a Mão, escrito pela Claudia Ramalho. Aliás a lindona anda escrevendo textos ótimos com assuntos que nos faz pensar e tem gerado ótimas discussões. O post é esse AQUI onde ela nos conta a experiência de ter que falar sobre sexo com a filha de 7 anos. Do jeito que ela contou fiquei imaginando a cena, ela sentada com sua pequena tendo essa conversa e sorri.
Por mais que se espere que um dia isso vai acontecer, imagino o quanto deve ser difícil quando o momento chega. Mas se você leu o post viu que a Claudinha conduziu tudo de forma exemplar. Como disse a Patricia Pirota, "de uma maneira educativa, maternal e sábia..."
Depois de ler o post fui ler os comentários e aí claro que dei uma viajada e fiquei pensando... Pensei em como era bem mais fácil na época que eu era uma menina (xiiii) e as mães só precisavam falar disso quando ía chegando a época de menstruarmos, e naquela época isso acontecia geralmente entre os 12 e 14 anos. Hoje uma grande maioria está menstruando com 9, 10 anos. Você sabe porque? (nunca sei como escrever esse porque, alguém ajuda aí?) Já li uma estória que é por causa do excesso de hormônios nos frangos, será?? Mas também já li uma explicação que as meninas estão menstruando cada vez mais cedo por conta do apelo sexual presente no dia-a-dia, principalmente a TV. Com isso os hormônios começam a ser produzidos e entram em ebulição mais cedo. Uma pena, não é mesmo? Já enfrentarem tudo que isso ocasiona numa idade em que ainda deveriam ser apenas crianças. Porém naquela época existia o grande problema das mães terem vergonha de falar nesses assuntos, de não saberem como explicar e por conta disso irem adiando ou ignorando.
Eu tive uma mãe que era a frente do seu tempo e em casa, nem eu nem meu irmão, nunca tivemos nenhum problema de falar sobre o assunto. para vocês terem idéia, depois de adultos, algumas vezes ela falou comigo ou meu irmão sobre a vida sexual dela. Com isso, quando menstruei já tinha absorventes na minha gaveta e sabia como usá-los. Encarei de forma tão natural que só no terceiro mes ela ficou sabendo que eu já era uma mocinha (tão bonitinho isso, né?). Minhas amigas é que faziam a festa, pois podiam conversar com mamãe tudo que não podiam na casa delas.
O tempo passou, muita coisa mudou e vocês sabem bem qual é o quadro hoje. No post da Cláudia vocês puderam ver como uma mãe dedicada, preocupada, que ama e quer o melhor para seus filhos deve agir. Porém sabemos que isso não é tão normal quanto se imagina e deveria ser. As crianças não encontram em casa o que precisam e aprendem somente na rua. A falta de diálogo e cumplicidade levam as crianças e adolescentes para caminhos que vão refletir em toda sua vida.
Ah e tem um grande perigo atualmente, que cresce cada vez mais, que é a figura do pedófilo. Não dá mais para ninguém ter a certeza de que isso nunca vai atingí-los. Vocês podem achar estranho, mas a pior notícia que li na minha vida, que mais me impactou e que nunca esqueci, foi sobre um pai estuprar uma filha. Se eles são capazes...
Infelizmente eles não permitem que tentemos prolongar a infância e inocência de nossos filhos. Por causa deles que não se pode adiar as conversas, dar abertura e criar uma relação de confiança com as crianças, para que elas saibam que podem comentar de tudo com você, para que elas possam estar atentas a comportamentos diferentes e lhe questionar. E principalmente observar muito.
Quando a gente pensa que já viu de tudo, sempre aparece uma novidade. A maldade não tem limite. Outro dia me surpreendi com uma notícia que falava sobre pedófilA. Sim, é isso mesmo, mulheres que abusam sexualmente de crianças. Eu fiquei pasma ouvindo aquilo e me questionei como eu nunca havia pensado nisso. Lá fui eu pro santo google pesquisar sobre o assunto e o quaixo bateu no teclado do pc. Se você quiser ler mais sobre o assunto, clica AQUI.
É mães, amem e cuidem de seus filhos e que Deus as abençoe dando discernimento e sabedoria. Eu não os tive, mas só de falar nesse assunto e pensar na minha sobrinha e nas crianças e adolescentes com quem convivo, meu coração dói, dói ainda mais por saber quantos e quantos riscos correm nesse mundão.
Complemento importantíssimo !!!!
Quando acabei de ler o que eu havia escrito, vi que cometi uma grande injustiça: esqueci dos pais!!!! Digo isso porque conheço pais fabulosos e que cumprem muito bem seu papel. Meu irmão sempre conversou sobre tudo com minha sobrinha e ela tem com ele a mesma liberdade que tem com minha cunhada. Tenho um amigo que na casa dele a esposa tinha vergonha de falar com a filha sobre certos assuntos e foi ele quem o fez de uma forma exemplar. Sim, temos uma safra de homens maravilhosos que estão presentes na família, que merecem ser chamados de pai. (ufa! acho que me redimi a tempo... sei direitinho o que eu ía ouvir hahaha é porque eles não comentam aqui no blog mas sempre conversamos por fora.. me livrei por pouco!)

11 comentários:

  1. Oi Luci! Que delícia de blog esse seu!
    E vc tb falou de Penedo...vc morou lá tb?
    Está muito mudado...pra mim perdeu um pouco do encanto, da rusticidade sabe? Mas ainda é uma cidadezinha linda...tem seus encantos ainda.
    Obrigada por seus comentarios tão gentis no blog.
    Grande beijo

    ResponderExcluir
  2. Bem, como meu "filho" só faz miau, então não preciso lidar com essa questão, hã, espinhosa - se bem que a questão em si não é espinhosa, nós é que a tornamos assim.

    Porém, tendo em vista a minha monumental timidez, acredito que eu teria uma certa dificuldade em conversar naturalmente com filhos sobre sexualidade...

    E, Luci, se minha memória não me engana, o "porque", quando na pergunta, é escrito separado; e, se estiver próximo ao ponto de interrogação, leva chapéuzinho do vovô no e.

    Beijocas!!!

    ResponderExcluir
  3. E eu acho que chapeuzinho não tem acento... :P

    Desculpe aí! XD

    ResponderExcluir
  4. Existem pais e pais...assim como existem pessoas boas e ruins.

    Eu tb lamento que as meninas estejam ficando mocinha tão cedo...acho às vezes muito precoce uma garota de 9 anos ter que se preocupar com isso ao invés de brincar. Eu fiquei com 13 mas conheço várias garotas que já estão tendo que lidar com isso bem cedo.

    ResponderExcluir
  5. Luci, você comentou o post maravilhoso da Claudia e abordou outro assunto tão difícil que é a pedofilia. Confesso que este é um medo constante em minha vida, o medo que meus filhos sofram algum abuso deste tipo. Incrível é perceber que quando abordo o assunto com outras mães, estas evitam ao máximo falar sobre ele, como se evitar falar fosse enviar para longe a possibilidade disto acontecer.
    Vivemos num mundo que apesar de desejarmos muito que seja bom, definitivamente não o é. Enxergar o mundo com clareza é necessário, mesmo que tenhamos esperança de que o saldo é positivo e de que exista mais bondade do que maldade no final das contas.
    Outro dia vi um documentário sobre o assunto pedolfilia na HBO e fiquei muito afetado com o que vi. Passei fisicamente mal por uma semana só de lembrar. Meu marido ficou até bravo e me perguntou pq inisito em ver estas coisas, já que poderia simplesmente ter mudado de canal e minha resposta foi enfática. Simplesmente porque eu mudar de canal, não vai fazer os pedófilos desaparecerem e entre saber e não saber, eu escolho a segunda opção porque é com informação que se combate e se previne...estar alerta aos sinais é super importante.
    Muitas vezes os pais tem medo que aquela pessoa maltrapilha que mora nas ruas vá fazer algo maldoso com seu filho e na verdade o pedófilo não é assim. Na grande maioria das vezes é uma pessoa carismática, de boa aparência e do nosso convívio que convence a criança na lábia e não à força.
    Pena mesmo que hoje em dia tudo tenha que se adiantar por um motivo ou outro e aquela infância ingênua e gostosa acaba se perdendo.
    Desculpe o comentário imenso, mas sua abordagem me tocou bastante.
    Bjs, Elaine

    ResponderExcluir
  6. Luci,
    Mas que diálogo bacana do seu post com o da Claudinha!
    Me lembrei de quando "fiquei mocinha" [não sei porquê, mas essa expressão é tão doce...] ao 10 anos recém completados. Mamãe chorou, pois não sabia "lidar" com aquela situação. E mesmo meu corpo já estando pronto pra ser adulto, eu continuei criança por muito tempo, até quando não deu mais.
    Tenho cá pra mim que isso é coisa de genética, porque minhas irmãs também menstruaram muito cedo...
    Mas sabedeus o que andam colocando nesse frango, mesmo =)

    Sobre a pedofilia, me sinto enojada só de escrever a palavra! Fico pensando nas mães, como a Elaine que comentou logo aima, e me dá uma dor no peito de pensar no perigo que os pequenos correm.

    Mas o jeito é alertá-los, e não deixá-los aprenderem as coisas na rua...

    Ó...Papai se inclui nessa categoria de pais que conversam sobre tudo com as filhas, viu. E olha que o coitado teve 3 mulheres e nenhum moleque, pra pagar pecado =)

    Beijão procê!

    Ah! Antes que eu me esqueça! Que delicadeza em citar meu nome, mulher! 'Brigada!

    ResponderExcluir
  7. Raven, eu acredito que quando nos tornamos mãe alguns mecanismos são acionados dentro de nós, entende? Então acho que você não teria problemas em conversar sobre sexo com seus filhos.
    Ah e vc me fez lembrar de outro homem que não tinha problemas em falar das coisas, seu pai.
    Obrugada pelo por quê :)

    beijão

    ...

    Desabafando, é mesmo ruin ver as meninas tão cedo já se incomodando (incomodada ficava sua vó! lembra? haha)com esse tipo de coisa.

    beijoo

    ...

    Elaine, pois é, lendo o texto da Claudinha eu fiquei pensando e fui parar nesse assunto porque vi que ao conversar com os filhos, ao criar canal de comunicação,vínculo de confiança e diálogo, os pais podem cuidar melhor deles e prevenir.
    Claro que ninguém deve passar o tempo todo pensando em coisas ruins, mas também não podemos nos esconder do que acontece nesse mundão.
    Obrigada pelo comentário! Você mostrou o quanto é difícil encarar os problemas, mas que temos que ter coragem de enfrentá-los de frente para o bem dos filhos. Uma pena as mães que se recusam a falar pois a troca de informações só ajuda e também ajuda a desabafar sobre como nos sentimos.

    Eu não citei no texto o que você comentou, mas é isso mesmo, a grande maioria que abusam das crianças são da família ou pessoas próximas. Que pena não?

    Mas é isso querida! Mesmo com tudo de ruim não devemos perder a esperança e viver tanta coisa boa que também existe. :)

    Beijo grande!!

    ..

    Pat querida!

    Pois é, eu me sinto assim, sofrendo um pouco com as mães que precisam se preocupar com coisas desse tipo.
    Entendo bem sua mãe e tantas outras porque isso vem da criação, de como as coisas foram ensinadas ou não. Meu Deus, uma menina na minha época não podia nem pensar em falar a palavra menstruação, em público e hoje eu estou aqui escrevendo sobre tudo isso num blog. Porém o pior é saber que nos dias de hoje existem mães que não conseguem conversar com seus filhos sobre esses assuntos.

    Coisa boa ter um pai assim hem? quanto carinho!!

    Aaaaa "mocinha" é muito gostoso!!! Era bem definido a passagem de criança para mocinha e de mocinha para mulher né?

    Você merece mais carinho ainda querida!!!

    beijãooo

    ResponderExcluir
  8. Oie,

    Nossa essa fase não é fácil kkkk
    Conheço gente que tem pesadelos só de pensar no dia em que esse dia vai chegar kkkkkk

    vou lá ler suas indicações!

    bjs e bom fds

    ResponderExcluir
  9. Luci, amada, estive correndo esses dias e só agora li seu psot maravilhoso!!!

    Que dlícia eu ia responder te comentário lá do blog e fiquei sem palavras... esse troço de pedofilia é fogo. Um inferno. Por isso a infância de nossos filhos fica cada dia mais curta.

    Adorei a sua abordagem. Muito lúcida e madura.

    Um beijo!

    Ah, vc tb faz biscuit???

    ResponderExcluir
  10. Sem dúvida, é preciso ficar muito atento às relações de nossas crianças. O perfil do pedófilo é extremamente sedutor e passa até credibilidade. Então muita atenção, inclusive com familiares. Hoje percebo que fui assediada pelo motorista do transporte escolar quando tinha só 10 anos. Uma pessoa acima de qualquer suspeita, educado, carismático, responsável. Inimigo não tem cara, essa é a verdade.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. olá, estou adorando esse seu blog.. me identifico com vc , pois nao tive filhos e se os tivesse seria uma mae muito da chata , pq o mundo apavora hj em dia .. nao é como na minha época de adolescente.. minha mae nuca falou desses assuntos comigo .. a salvação era a vizinha , nossa amigona até hj .. ai ai ,, saudades desse tempo .. fico nostalgica perto do meu niver ..o assunto pedofilia tb me arrepia .. a ponto de ver algum homeme com criança no colo e ja ficar alerta..mas existem as exceções , como vc mesma citou .. e vivam elas .. bjs LIN

    ResponderExcluir