4 de mai de 2010

Existem situações que só quem passa sabe exatamente o que se sente, impossível dimensionar por mais que a gente imagina. Nesse caso, você que é mãe, pode ter uma idéia maior que a minha, mas mesmo assim não sabe o exato sentimento, com certeza é maior que sua imaginação permite.
Quantas e quantas situações ruins são criadas pela irresponsabilidade de alguém. Se não fosse ser abandonada pelo marido que a acusava de tê-lo traído e não ser o pai do filho que tiveram, nunca teriam descoberto a troca de bebes na maternidade.
Ter um filho é algo muito especial e a relação da mãe com um filho é prá lá de especial, nem preciso falar sobre isso. Aí um dia, depois de um ano, você descobre que aquela criança não é seu filho. De repente toda essa relação criada vai por água abaixo e você tem que começar de novo com outra criança. Com certeza essas mães gostariam de ficar com as duas. E eu não consigo dimensionar a dor de cada uma nesse momento.




As pessoas precisam ser profissionais melhores, terem a noção exata da responsabilidade que têm em relação ao que fazem. Saber que qualquer ato errado pode causar dor em outras pessoas. E isso eu digo nas mais diversas profissões que trabalham com gente.

19 comentários:

  1. Deve ser uma dor imensurável.
    Sabe o que acho pior? poderia ter sido evitada.

    Triste.

    (obrigada pelas palavras ontem. um dia passa)

    ResponderExcluir
  2. Incrível isso.Estão apegadas aos filhos e depois, a troca...Uma dor!E as crianças???beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Não aguentei ver a cena, mudei de canal. Eu já tava tão sensibilizada com a situação do Theo e da Aline Bretas, mãe dele, aí foi impossível acompanhar esse caso.
    Passa lá no meu blog e vê o post sobre o Theo, ele está precisando de ajuda.
    ;)

    ResponderExcluir
  4. fico imaginando a saudades que elas sentirão do bebe que criaram durante 1 ano e 8 meses... é cruel...saber que seu filho não é seu filho...sem palavras...

    bjss

    ResponderExcluir
  5. Imagino o sofrimento...que coisa trágica...e as crianças tadinhas? Vão ter que sofrer primeiro até aprender a amar os pais verdadeiros...horrível...isso é Brasil....Beijão

    ResponderExcluir
  6. Tb fiquei comovida c/ esta história.
    E fiquei indignada ao saber que das 3 enfermeiras que serão investigadas ou indiciadas, uma delas já cometeu esse erro anteriormente.
    São profissionais que fazem o seu trabalho sem amor, dedicação ou capricho, conforme falei no meu penúltimo post, temos que fazer o melhor possível, dentro dos nossos limites, é claro, mas se cada um já fizesse isso já seria o bastante p/ que não ocorressem erros grosseiros como esse e que envolveu pessoas que estarão marcadas pro resto da vida.

    Bjs♥

    ResponderExcluir
  7. Sabe, as pessoas têm de aprender a partilhar, o erro foi feito e agora tem de corrigi-lo da melhor forma.
    Essas mães deviam conseguir viver e trabalhar em conjunto para o bem das crianças, é como um casal separado que divide a educação dos filhos ... penso eu!!!!

    ResponderExcluir
  8. Sim minha Vida tem que ter muita responsabilidade mesmo - Acho que a lei teria que mudar em relação a esses acontecimentos - após certo período não deveria ser mais permitido a troca das crianças, pois elas é que mais sofrem. Teria que haver o convívio entre as famílias para que acompanhassem a vida e crescimento de seus filhos, ajudassem no que fosse necessário. Isso sim que seria uma forma de remediar tantos erros que ocorrem e muitos que até hoje nem se sabe.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. É, fico pensando agora em quão difícil será pra recomeçar tudo do zero, certeza que ficam traumas e conflitos com relação a isso. Muito triste ver histórias assim.

    ResponderExcluir
  10. Nossa... como recomeçar uma nova vida, com um filho "novo" e longe de uma criança que até então pensava que era filho?
    E as crianças tb, que nada entendem, mas sofrem por não terem a "mamãe" perto.

    Como é que pode acontecer uma coisa dessas... eh mta tristeza.

    ResponderExcluir
  11. Isso foi triste né?
    Até um casamento acabou por causa disso...
    Lamentável.

    bj

    ResponderExcluir
  12. É incrível como muitos profissionais nesse nosso Brasil não têm o mínimo senso de responsabilidade e consequências!?! Este fato é revoltante! E não só porque envolve crianças (compro briga por crianças!), mas todo um sentimento em volta delas, dos pais, familiares, amigos...
    Imaginem a dor dessas mães! (Ah, mas os filhos estão vivos e sadios... eu já ouvi.)
    Imagine vc dar amor e carinho, cuidar de um bebê, amamentar, ninar... E depois descobrir que tudo o que fez, não foi o seu filho? Muitas pessoas têm o dom de amar crianças incondicionalmente (caso das mães adotivas), mas por pura opção! Como transferir o amor?

    Gente, isso é um absurdo!

    E o pai (o que se separou), o quanto deve ter sido caçoado pelos amigos. Porque tem amigos que adoram ficar chamando o outro de corno, e tendo um filho que não se parece com os dois já viu né!

    Não vi a cena da troca, ou melhor destroca. Nem quis ver. É muita dor! E muita irresponsabilidade.
    #meindignei


    Beijocas mil

    ResponderExcluir
  13. Oi Luci,
    Essa situação é mesma uma grande lástima. Não existem palavras que possam mensionar os danos que esse ato irresponsável causou, mas casa um tem seu caminho e suas provas. Espero que tudo isso tenha transformado positivamente essas pessoas. Meu pai teve umamigo que passou por isso. Acredito que só tempo é capaz de diminuir essa dor.
    Beijos
    Karina

    ResponderExcluir
  14. Oi Luci,
    Essa situação é mesma uma grande lástima. Não existem palavras que possam mensionar os danos que esse ato irresponsável causou, mas casa um tem seu caminho e suas provas. Espero que tudo isso tenha transformado positivamente essas pessoas. Meu pai teve umamigo que passou por isso. Acredito que só tempo é capaz de diminuir essa dor.
    Beijos
    Karina

    ResponderExcluir
  15. deve ser uma dor inexplicável. imagina! entregar a criança que você criou com tanto carinho, quantas cólicas você cuidou, gripes, idas ao médico, os primeiros dentinhos, a primeira palavra... entreegar e nunca mais ver a criança que você chamava de "sua". deve ser bem complicado...

    ResponderExcluir
  16. Ah não dá pra imaginar não. Mesmo não sendo seu filho biológico, é filho porque elas cuidaram, amaram, etc. Não dá pra apertar um botão e de repente substituir esse por aquele. E essas crianças, meu Deus, não dá pra dizer a eles que de agora em diante a mãe é outra. Penso que será um processo gradativo e lento.Que coisa mais louca. Provavelmente estas mães ficarão com o sentimento de que os dois são filhos.
    Pô, e a mesma pessoa envolvida em casos diferentes de troca de bebes. Se for pura falta de responsabilidade, não deveria ter o registro da profissão; se foi intencional só pode ser louca, com que intenção faria isso?

    ResponderExcluir
  17. Amiga, realmente esse caso é um absurdo q ñ foi o 1º e infelizmente ñ será o último... e ainda a irresponsável da enfermeira já fez esse "erro" uma vez... e ainda está trabalhando normalmente? Atenção mamães passem longe deste hospital...rsrs (um pouco de ironia). Revoltante e assim q baixar a "poeira" tudo cai no esquecimento... afinal estamos no Brasil!!!
    Ps. Já conheço seus outros blogs e estou participando do sorteio...rsrs
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  18. Oi, Luci,
    Eu não posso nem imaginar uma situação dessas. Eu acho muito triste mesmo! Deveria haver uma maneira de possibilitar a convivência das duas famílias...cheguei a sentir uma dor no coração quando assisti!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  19. Dá muita revolta, esses hospitais não terem uma administração que cuide da segurança dos internos.
    O excesso de burocracia, fica por conta de assegurar que eles vão receber por todos os serviços prestados. Ou até por serviços prestados em pessoas que não existem, como já vimos várias vezes, no noticiário.

    Um grande abraço, amiga Luci.

    ResponderExcluir