8 de ago de 2010

Esse mes fará 4 anos que meu pai faleceu. Lendo isso você deve imaginar que hoje é um dia de saudade para mim, mas não é. Hoje muita gente está declarando seu amor por seus pais, mas eu não, ao contrário, só consegui conviver melhor com meu pai a partir do dia que eu consegui assumir que eu não amava meu pai. Isso não foi fácil, sempre me fez sofrer, mas a partir daí eu parei com um conflito que existia dentro de mim, de querer ter algo que no fundo sabia que nunca teria.
Nós tivemos uma convivência muito difícil e eu considero que não tive pai, ou pelo menos não o que eu considerava que deveria ser um pai. Durante toda minha vida senti muita falta dessa figura e sempre invejei as minhas amigas que tinham isso.
Meu pai foi um bom homem. Todos gostavam muito dele e ele era amigo e bom para todos, menos para a família dele. Meu pai era uma pessoa egoísta e daquelas que gostam de ser infeliz. Por mais motivos que tivesse para ser feliz ele sempre encontrava um motivo para ser infeliz. E isso contaminava...
Para vocês terem idéia, ele sempre conseguia estragar qualquer festa aqui em casa. Quando ele via todos nós felizes e animados ele arrumava um jeito de acabar com isso. Enquanto ele não fazia um chorar e aborrecer todos, não sossegava. Aí ele ficava feliz e animado. É essa a lembrança que tenho de muitos aniversários, natais...
Não queria que tivesse sido assim. Até hoje isso me machuca. Não consigo ver reportagens com pais e filhos sem que me emocione e meu coração doa.
É engraçado como certas coisas acontecem, como a vida, como Deus conduz certos acontecimentos. Eu disse diversas vezes que quando ele morresse eu não iria ao enterro porque não era hipócrita, pois a morte dele me traria paz, já que era a pessoa que mais me magoava e me fazia sofrer. Pois quando ele morreu, fazia pouco mais de um mes que minha mãe tinha morrido e meu irmão estava em Brasília, tinha operado a coluna 1 dia antes. Quem teve que cuidar do enterro? Eu!
Queria muito que tudo tivesse sido diferente. Queria muito não sentir o que sinto. Queria muito ter saudades dele.
Homens que estão aqui lendo meu desabafo, se tiverem filhos, sejam pais de verdade, não tenham filhos apenas.

Parabéns aos pais que são pais de verdade e principalmente as mães que também são pais, como a minha mãe foi. E nos dias de hoje tem muita mãe/pai, assim como já encontramos pais que também são mães.

Que Deus abençoe a todos!

11 comentários:

  1. Luci minha Vida
    Bom dia!
    Parabéns a você pelo ser humano que é, pelo amor que brota de sua alma e mais ainda pela sinceridade de expor seus sentimentos com total transparência.
    Chegar a este nível de compreensão, sabendo aceitar aquilo que lhe foi imposto pela vida e ser a pessoa que é faz de você um ser iluminado.
    Beijos e um bom domingo e espero que juntinho do seu irmão e família.

    PS. Saudades

    ResponderExcluir
  2. Luci minha Vida
    Bom dia!
    Parabéns a você pelo ser humano que é, pelo amor que brota de sua alma e mais ainda pela sinceridade de expor seus sentimentos com total transparência.
    Chegar a este nível de compreensão, sabendo aceitar aquilo que lhe foi imposto pela vida e ser a pessoa que é faz de você um ser iluminado.
    Beijos e um bom domingo e espero que juntinho do seu irmão e família.

    PS. Saudades

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo verdade que vc conseguiu encarar , aceitar e assumir!!deve ter sentido um grande alívio , apesar de toda dor pela frustração e vazio existente.Livre da
    " culpa " que não se tem, fica mais fácil ser feliz-só acrescentaria
    para contribuir para a sua felicidade, o perdão a esse pai-o perdão pela pessoa doente que ele era-claro que esse homem possuia beleza e amor, só que a
    doença( talvez fosse dependente de álccol)impede a pessoa de dar o melhor de si.

    Perdoe ,perdoe mesmo, pela compreensão no fundo do seu coração, esse pai que não conseguiu ser pai de verdade, e vc estará se fazendo um grande bem.
    Um beijo no seu coração!!
    Rejane

    ResponderExcluir
  4. Luci,

    Curioso vir aqui hoje para ter ler e encontrar esse post. Na minha crônica de sexta também não abordei o tema porque acho que não tenho uma história com pai que mereça ser contada. E não porque ela me marque de forma negativa, mas tão somente porque ela não existe. Ele, espanhol, voltou ao seu país de origem quando eu tinha três anos. Embora tenha mantido algum contato durante os anos de minha infância e adolescência, não buscou fazer de nosso livro comum um história completa, com texto e imagens. Temos um livro com pouquissimas páginas escritas e todas as demais em branco. Adulta, já estive com ele por duas oportunidades em viagens. E foi muito bom. Mas um bom construido na ideia de um encontro entre duas pessoas que só estavam se conhecendo e que se mostraram de uma forma amistosa. Ele é agradável, ótima companhia para passeios, mostrou sua cidade, levou a lugares legais...foi bom. Mas até aí chamar de pai, ter vinculo de pai, me fazer ter historias para contar de pai vai uma enomre distância.
    Então, se nosso livro está em branco, que assim o fique.

    Isso é só para dizer que compreendo o que você relata aqui.
    E que penso que, no meu caso, tentei reconstruir tudo isso com um pai bastante generoso para os meus filhos.

    bjss

    ResponderExcluir
  5. Oiiiiiiii Luci,
    Que bom que agora você está em paz. O pior já passou. Procure perdoar e perdoar-se. Aí você estará verdadeiramente livre. Bjsssss e bom domingo.

    ResponderExcluir
  6. Depois que tudo passa fica a felicidade do viver...

    Belíssima postagem.

    abraços

    Hugo

    ResponderExcluir
  7. Luci,
    Tirando o fato de que o meu pai ainda vive, eu poderia ter escrito este texto inteirinho, sem tirar um ponto sequer.
    E quer saber? Dói. E sei que vai doer pra sempre. Não é nada que me impeça de ser feliz, mas está lá e faz parte de mim. E fim.
    Agora vamos combinar? Antes de ter blog eu achava que apenas eu tinha esses sentimentos.
    Terapia pra quê? O blog resolve...

    ResponderExcluir
  8. Oi, Luci!

    Meu pai foi uma grande paixão para mim, tanto que no começo da adolescência, muito magoada por uma enorme e injusta bronca que ele me deu, fiquei alguns anos sem falar com ele decentemente, me limitava a responder "sim", "não", "não sei". Foi uma imaturidade total de minha parte, eu era uma criança carente mas não sabia falar sobre isso e ele também não.
    Um dia, quando ele passou mal e foi para o hospital, bateu aquele medo dele morrer e comecei a quebrar o gelo, com muuuiita dificuldade. Depois, conforme fomos envelhecendo, tudo melhorou.

    Assim como vc descreve o teu pai é a minha mãe, que pessoa complicada.
    Por mais que a gente tente viver bem, a pessoa cria conflito em tudo e em todos, é muito difícil. Eu tb gostaria que ela tivesse vivido de outra maneira. Deus sabe.

    Luci, um abraço apertado em ti, beijocas,

    ResponderExcluir
  9. Luci, consigo entender perfeitamente seu sentimento. Comigo aconteceu muito parecido (com uns toques piores, já te contei uma pequena parte); pena que vivi coisas assim com minha mãe...
    Porquê PAI a sociedade "aceita" que tenha mil defeitos e compreende quando um filho se queixa. Mas MÂE...
    Sempre tem alguém que não conhece a história e vem me dizer: Mãae é mãe... É sagrado... Vc tem que perdoar... É pecado ter raiva da mãe... Etc... Etc...

    Eu tive e tenho muitos motivos pra não desejar mais estar próxima dela, mas nunca tive inveja de quem tem/teve uma mãe. Ao contrário: todo o amor que me foi negado, toda a rejeição que passei só serviu de ensinamento. Pois hoje dou à minha filha todo o amor que desejei ter! E nem por isso ela se tornou uma criança mimada. Ao contrário, ela me obedece, e entende o quanto eu a amo.

    E reforço o teu conselho: Homens, sejam pais de verdade!!! Pois ao negar amor à um filho, não é ele quem perde, mas vc!

    Beijocas mil

    ResponderExcluir
  10. Olá Luci como vai? Tamb´pem tive um pai assim, melhor tenho, mas não convivo mais com ele, no ínicio sentia ódio, depois entendi que era da criação dele , hoje me é indiferente, oro a Deus que não sinta raiva , mágoas, que me abra o coração e reforço tbm que os pais sejam amorosos e pais que estendam a mão aos filhos. bjssssssssss


    Amiga se puder vota na minha Alice, comentando no blog da fotografa Graciela Lindner, caso ainda não o tenha feito. bjs


    http://gracielalindnerphotography.com/2010/07/21/vote-agora-e-escolha-o-vencedor-promocao-junina/#more-2404

    ResponderExcluir
  11. Viva intensamente a aurora de cada dia.
    Faça de cada momento um devaneio contínuo.
    Torne-se mais e mais forte.
    Sonhe...

    E conquiste seus sonhos.
    Acorde a cada amanhecer com a certeza de que tudo poderá acontecer.
    Sorria...

    E consiga todos os bens que o sorriso pode lhe dar.
    Pois sempre que você sorrir uma estrela irá brilhar.
    Supere-se...

    Seja melhor do que você já é.
    Conquiste superioridade a cada dia.
    Faça tudo o que você quizer.
    Brilhe...

    E seja brilhante até nos passos em falso que a vida dá.
    Tente, tente até conseguir o que quer.
    Brilhe o máximo que você puder.
    Ame...

    Pois o amor é fundamental.
    Tenha sempre alguém ao seu lado no caminho pois, como dizia o poeta:
    -É impossível ser feliz sozinho!

    (texto da net).

    Uma linda semana pra voce!!!

    beijooo.

    ResponderExcluir