16 de out de 2010

Claro que existem excessões, mas filhos aprendem com as atitudes dos pais. Aprendem muito mais com o que vê do que com o que escuta. As crianças de hoje são filhos de crianças que já não tiveram bons exemplos ou uma boa educação, com preocupação, com valores. E é por isso que todos os dias surgem situações que nunca imaginamos.
Essa semana fiquei chocada ao ver as imagens de um pai agredir uma mãe, num shopping de Petrópolis, na frente dos filhos. O filho dela sofre de bulling pelo filho dele e ela resolveu falar com a criança. O pai foi tomar satisfação com ela e a agrediu fisicamente, de chutá-la no caída no chão. E as crianças assistindo isso. Agora, eu pergunto, como o filho desse homem será? Só podemos esperar o pior por esse exemplo. Não é a toa que ele já é agressivo na escola, imagino o exemplo que tem em casa.
Assistindo a cena, outra coisa pode ser observada. Um homem agredindo fisicamente uma mulher e as pessoas olhando... simplesmente assistindo.

Definitivamente o futuro é negro. Toda a violência que vemos, seja do que tipo for, tem uma raiz.

Se você não viu e quer ver, é só clicar aqui

No dia seguinte na edição do Bom Dia Brasil, o Alexandre Garcia, que eu admiro demais, falou muito bem sobre.
Bullying: pais aderiram à violência e, volta e meia, há a pancadaria

"A agressão veio justamente de quem deveria dar o exemplo. Eu fico imaginando o exemplo que esse pai deu ao filho e que esse menino não vai esquecer para o resto da vida. E a reação da mãe também faz parte desse mundo que, na ausência de argumento, se apela para a agressão física. E a escola não pode lavar as mãos em um episódio assim. Ignorar um episódio assim está fugindo da sua responsabilidade.
E a propósito, hoje é Dia do Professor. É bom a gente lembrar de outra vítima nas escolas. Os mestres, volta e meia, são agredidos pelos alunos. Na capital do país, em Brasília, há pouco mais de um ano, um professor chegou a ser morto a tiros por alunos drogados na frente da escola pública.
Faz tempo que esse tipo de agressão existe, só que não tinha nome em inglês. Eu vivi isso no grupo escolar, onde fiz o curso primário. O menino que usasse óculos, que fosse obeso ou que fosse todo bem arrumadinho, era vítima. E não resolveram até hoje. Ganhou nome estrangeiro, a violência subiu aos pais, os pais aderiram à violência. E volta e meia, há a pancadaria.
Ou seja, há 60 anos, o que acontecia: os pais, em casa, acalmavam os ânimos. O tempo acabava por resolver essas questões. Hoje, parece que há muito mais gente à beira de um ataque de nervos. Se há adultos que passam essa violência aos filhos e se há escolas que fingem ignorar o que acontece, então, estão contrariando o bordão do momento: há o risco de ficar pior.
Eu fico perguntando, quantas vezes, nessa edição do Bom Dia Brasil, hoje, foi ouvida a palavra ‘medo’."

Durante minh avida, quantas e quantas vezes ouvi que deveríamos cuidar de nossas crianças porque eram o futuro do país. Que futuro esperar?

Bom final de semana!

5 comentários:

  1. Que coisa terrível!
    Terrível ter escolhido um homem assim por companheiro.
    Beijos na alma!

    ResponderExcluir
  2. Falta o bom exemplo mesmo para as nossas crianças, Luci. Que cena triste e lamentável a daquele homem violento. Um bom dia, bom sábado, bom final de semana para você, beijos :)

    ResponderExcluir
  3. Ótimo texto mais o questionamento final...Mto importante bjuuu

    ResponderExcluir
  4. Que horror!!

    Pra onde caminha esse mundo??? Onde está a ética, a moral, a educação, o respeito?
    Onde tudo isso se perdeu?

    bj

    ResponderExcluir
  5. Nossa, isso é chocante! O filho faz o mal, o pai vai lá e bate na mulher. Então ai vc vê de onde vem a falta de educação do garoto. E que homem covarde, não é homem, isso é um lixo.

    agora pais se estapeiam? que mundo é esse... nossa, é de chorar mesmo.

    ResponderExcluir