26 de fev de 2010

ó só a ressaca do mar

praia do Leblon - Rio de Janeiro
Temperatura maravilhosa por aqui, viu? Teve uma hora hoje que até desliguei ventilador de teto :)
Bom final de semana, com muita alegria!

"prestação de contas"

O dia de ontem foi mesmo bomdemaisdaconta, cheio de coisas boas. Das coisas que falei a primeira que aconteceu foi a confirmação de que meu amigo e esposa estão grávidos! \o/\o/ Adoro receber esse tipo de notícia :)

No almoço conhecia a Irene do Mamyrene e a Vivian do Criatividade & Nostalgia. Foi ótimooo! Papo super gostoso e se não fosse elas terem que voltar para o trabalho acho que o papo ainda iria looonge. Eu levei a máquina "fofográfica" e pedimos ao garçon que tirasse uma foto nossa. Não me pergunte como, mas o fato é que quando fui baixar a foto vi que ele não bateu uma foto, ele nos filmou. Pode isso? Só podia ser vascaíno, viu? (Me desculpem os vascaínos, mas como uma boa flamenguista não podia perder a piada :P ).Conclusão, dei um print screen no vídeo para ter uma foto e postar aqui para vocês. Então não reparem na qualidade.
Já combinamos que qualquer dia foi fazer uma comidinha e elas virão almoçar aqui em casa.
Quase final da tarde veio não só irmão mas a turma toda com pão quentinho pro lanche. Acabaram ficando para o jantar e saiu um frango ao catupiry. Muito bom, bom demais!!!!
Dormi pouco depois da meia-noite e acordei pouco depois das 3h após ter tido um pesadelo daqueles. Sabia que se voltasse a dormir poderia continuar a sonhar, ou seria pesadelar, com aquilo e liguei a tv. Deu fome, fiz lanchinho e não consegui voltar a dormir. Levantei pouco antes das 6h e comecei a arrumar umas coisinhas, afinal hoje é sexta. Nesse momento são 8h20min e o sono está batendo e eu vou deixá-los e voltar prá caminha.
Quero terminar fazendo uma observação: No dia 24 postei um artigo que recebi por email, esse aqui. Algumas pessoas que me escreveram por email ou comentaram no post, acharam que eu escrevi o post todo. Não, não! O artigo, que está todo em itálico, que começa com o título "Serra ou Dilma - a Escolha de Sofia" e termina com "o que não é muito" foi escrito por Rodrigo Constantino, que descobri tem um blog. O nome dele está abaixo do título. Quem me dera escrever um texto tão inteligente.

25 de fev de 2010

dia especial

Irmaõ chegou ontem a noite. Se você ainda não sabe, ele é técnico em segurança do trabalho e estava trabalhando em Manaus há 1 ano e meio mais ou menos, vindo em casa de 15 em 15 dias. Ele trabalha onde a empresa tem obras e há mais ou menos um mes o mandaram para uma cidade no interior do Pará que fica uma estação antes do fim do mundo. Desde então não havia vindo em casa. Provavelmente ele está vindo de vez e esperará para ver prá onde irá agora já que a obra de manaus está no finzinho.
Pois então, ele chegou ontem a noite, me ligou e disse que viria aqui hoje depois de despachar filha e esposa para colégio e trabalho. Como eu sei o horário delas tratei de me levantar as 7h. Desliguei o ar e abri a janela... coisa boa! chovendo! aquela chuvinha fina e constante. Na TV disseram que a máxima de hoje será 29 graus!!!!! Prá nós cariocas que todo dia ouvimos 40 graus é uma bela diferença, né? Fiz café, ajeitei uma coisa aqui outra ali, 8h e nada de irmão. Eu doidinha por uma banho, mas como profunda conhecedora e vítima da lei de Murphy, sabia que seria só eu estar embaixo do chuveiro e a campanhia tocaria.
Como hoje acordei com vontade de tomar café com pãozinho fresco, resolvi ligar para ele e pedir que passasse na padaria antes de subir. E onde ele estava? Em casa, preguiçoso com a chuvinha... Pode isso? aaah irmãos viu? Ainda me disse que deixou prá vir mais tarde porque sabe que não levanto cedinho.
Tomei meu bainho, fui a padaria e... não tinha pão! "só daqui 15 minutos" disse a menina com cara de que eu é que estava querendo demais por querer encontrar pão na padaria no momento em que lá cheguei. aff
Agora vou começar meu dia que será bem especial. Além de reencontrar irmão, que acho não vejo há 1 mes, também vou almoçar com duas amigas blogueiras que ainda não conheço pessoalmente \o/\o/ Acredita que elas trabalham aqui pertinho de onde moro? Depois conto procê, viu? E prá completar estou esperando resultado de exame de gravidez!! Não, não é meu, é de um amigo :) Falando nisso deixa eu entrar no msn e ver se ele já está lá com o resultado.
beijo e bom dia!!!!!

18 de fev de 2010

histórias de canções


Um dos últimos livros que li foi "Chico Buarque" que inaugurou uma série chamada Histórias de Canções. Nele Wagner Homem, amigo do compositor desde 1989, conta diversas histórias ligadas a muitas canções de Chico. Ao falar das canções e suas histórias vai nos mostrando o cenário do país na época de cada uma delas, é também uma lição de História. Ele começa com a música "Tem Mais Samba (1964) que Chico considera o marco zero de sua carreira profissional e nos traz até 2009 com o lançamento do livro "Leite Derramado".
É uma leitura gostosa e mesmo eu que sou super fã, não conhecia muitas das canções e foi muito interessante conhecer as histórias por trás de cada uma delas, saber que muita coisa que ouvi ao longo dos anos não são verdadeiras e conhecer mais do Chico. Essa leitura me levou a uma viagem pelo tempo visto que vivi toda essa época e acompanhei muitos dos acontecimentos.
No livro houve uma parte que me tocou em especial. Na parte onde Wagner escreve sobre A Banda, música que muitos acham boba, mas de um grande significado e que fez um sucesso enorme, não só aqui no Brasil, ele transcreve uma crônica escrita por Carlos Drummond de Andrade e que me emocinou muito. Li e reli diversas vezes em momentos diferentes e refleti muito. Numa dessas vezes, eu li em voz alta para minha prima e minha sobrinha e as lágrimas vieram. Senti forte o significado e a emoção das palavras de Drummond. Pensar naquela época e ver o dia de hoje no nosso país é algo mesmo para se refletir. Suas palavras são bem atuais embora épocas tão diferentes (?)

Deixo aqui a crônica e espero que você também goste.

"O jeito, no momento, é ver a banda passar, cantando coisas de amor. Pois de amor andamos todos precisados, em dose tal que nos alegre, nos reumanize, nos corrija, nos dê paciência e esperança, força, capacidade de entender, perdoar, ir para frente. Amor que seja navio, casa, coisa cintilante, que nos vacine contra o feio, o errado, o triste, o mau, o absurdo e o mais que estamos vivendo ou presenciando.
A ordem, meus manos e desconhecidos meus, é abrir a janela, abrir não, escancará-la, é subir ao terraço como fez o velho que era fraco mas subiu assim mesmo, é correr à rua no rastro da meninada, e ver e ouvir a banda que passa. Viva a música, viva o sopro de amor que a música e a banda vem trazendo. Chico Buarque de Holanda à frente, e que restaura em nós hipotecados palácios em ruínas, jardins pisoteados, cisternas secas, compensando-nos da confiança perdida nos homens e suas promesas, da perda dos sonhos que o desamor puiu e fixou, e que são agora como o paletó roído de traça, a pele escarificada de onde fugiu a beleza, o pó no ar, a falta de ar.
A felicidade geral com que foi recebida essa banda tão simples, tão brasileira e tão antiga na sua tradição lírica, que um rapaz de pouco mais de vinte anos botou na rua, alvoroçando novos e velhos, dá bem a ideia de como andávamos precisando de amor. Pois a banda não vem entoando marchas militares, dobrados de guerra. Não convida a matar o inimigo, ela não tem inimigos, nem a festejar com uma pirâmide de camélias e discursos as conquistas da violência. Esta banda é de amor, prefere rasgar corações, na receita do sábio maestro Anacleto Medeiros, fazendo penetrar neles o fogo que arde sem se ver, o contentamento descontente, a dor que desatina sem doer, abrindo a ferida que dói e não se sente, como explicou um velho e imortal especialista português nessas matérias cordiais.
Meu partido está tomado. Não da Arena nem do MDB, sou desse partido congregacional e superior às classificações de emergência, que encontra na banda o remédio, a angra, o roteiro, a solução. Ele não obedece a cálculos da conveniência momentânea, não admite cassações nem acomodações para evitá-las, e principalmente não é um partido, mas o desejo, a vontade de compreender pelo amor, e de amar pela compreensão.
Se uma banda sozinha faz a cidade toda se enfeitar e provoca até o aparecimento da lua cheia no céu confuso e soturno, crivado de signos ameaçadores, é porque há uma beleza generosa e solidária na banda, há uma indicação clara para todos os que têm responsabilidade de mandar e os que são mandados, os que estão contando dinheiro e os que não o têm para contar e muito menos para gastar, os espertos e os zangados, os vingadores e os ressentidos, os ambiciosos e todos, mas todos os etcéteras que eu poderia alinhar aqui se dispusesse da página inteira. Coisas de amor são finezas que se oferecem a qualquer um que saiba cultivá-las, distribuí-las, começando por querer que elas floreçam. E não se limitam ao jardinzinho particular de afetos que cobre a área de nossa vida particular: abrangem terreno infinito, nas relações humanas, no país como entidade social carente de amor, no universo-mundo onde a voz do papa soa como uma trompa longínqua, chamando o velho fraco, a mocinha feia, o homem sério, o faroleiro... todos os que viram a banda passar, e por uns minutos se sentiram melhores. E se o que era doce acabou, depois que a banda passou, que venha outra banda, Chico, e que nunca uma banda como essa de de musicalizar a alma da gente."

Que venha uma nova banda! E se você quiser ler mais sobre o livro é só clicar : Chico Buarque - Histórias de Canções

13 de fev de 2010

Algo estranho acontece...

Já tem um tempinho que quando estou lendo os blogs acontece algo estranho quando fecho a página de alguns e eu queria saber se isso já aconteceu com você também ou se você sabe o que está acontecendo comigo.
Quando clico no nome do blog se abre uma nova página, certo? Aí euzinha leio, comento e tal. Quando eu clico no X lá no alto para fechar a página do blog que estava lendo, ao invés dele simplesmente fechar, começa a se reproduzir, ou seja, começa a abrir um montão de novas páginas iguaizinhas do blog que eu tentei fechar. Tendeu? Aí só o ctrl+alt+del resolve.
Não acontece sempre, mas vira mexe está acontecendo. No início achei que poderia ser vírus, mas não é. E só acontece isso com blogs do blogspot e eu tenho que encerrar inclusive meu e-mail do gmail senão a reprodução continua.
Isso já aconteceu com você? Há luz no fim do túnel? Help me, please!!!!!

12 de fev de 2010

Ceó Pontual

Para mim a pior coisa de todo esse calor tem sido a moleza, o cansaço, a preguiça... Tem hora que eu queria apenas que o mundo acabasse em cama e ar refrigerado. Paro meu trabalho N vezes. Olho algo que deveria fazer e vou deixando prá depois.
Uma dessas preguiças tem sido escrever. As vezes levo dois, tres dias para responder um email. Venho escrever no blog, começo e... deixo prá depois. Leio os blogs que acompanho, deixo prá comentar depois e acabo não voltando. Há pouco mesmo estava aqui lendo alguns blogs, segurando o queixo com as mãos e os cotovelos fincados na mesa e pensando... pensando que tenho que escrever aqui, que tenho que dar uma arrumada na casa, que tenho que terminar uma encomenda, que tenho que responder alguns emails, que tenho que ir na minha comunidade no orkut, que tenho que editar fotos de alguns trabalhos para colocar no meu blog de trabalho e a vontade mesmo era só de voltar prá cama onde o quarto tá geladinho do ar refrigerado ligado durante a noite. Aqui no quarteliê também tem ar refrigerado, mas não dá prá ficar com ar ligado dia e noite, né? a conta de luz ficaria proibitiva.
Então peço desculpa prá vocês por andar sumida e agradeço quem continua por aqui mesmo eu não estando tão presente nos blogs de vocês.
Já falei aqui do quanto admiro as pessoas criativas e uma vez, por causa de um email que recebi, conheci o blog do Ceó Pontual - Frases Ilustradas. Coloquei aqui algumas dessas ilustrações, mas você pode conhecer mais visitando o blog.
































Um bom carnaval, feriadão para vocês!! Eu ficarei por aqui na minha rotina normal, trabalhando e fazendo minha preguiça.
P.S. Tem uma votação rolando no Artes da Luci - Postando sobre Artes. Passa lá e deixa seu voto também! :)

8 de fev de 2010

Gostei muito dos comentários na última postagem. Juntando tudo temos a realidade do assunto.
Se fosse um tempinho atrás eu teria ficado bem irritada com a atitude dele, mas não agora que me acostumei a certos comentários, julgamentos, conselhos e coisas assim que já recebi. Na verdade fui andando e pensando no assunto e tendo um sentimento de pena em relação a ele. Sim, ele me disse o que ele deve estar sentindo e tem dito para ele mesmo. Com certeza está bem infeliz na sua condição atual.
Chega a ser engraçado a forma como as pessoas veem quem trabalha em casa. Muita gente acha que é a vida mais fácil do mundo, quando na verdade precisamos de mais disciplina, organização e responsabilidade do que quem trabalha fora. Não há salário nos esperando no final do mes depositado em nossa conta. Ganhamos o que produzimos. Muitas vezes trabalhamos mais horas do que se tivéssemos um trabalho fora e para ganhar menos. Ah mas falar em trabalhar com artesanato faz piorar essa visão. Não é considerado trabalho, mas hobby. Tem muita gente que acha que estou ficando rica, quando o que ganho com meu trabalho não paga minhas contas. Sim, porque achar o trabalho bonito, bem feito, é ótimo, mas a grande maioria acha que tem que ser baratinho e na maioria das vezes você não pode cobrar o trabalho que teve, o tempo que gastou.
Um grande exemplo é a loja para onde forneço caixas. Ela coloca 100% em cima do meu preço e vende tudo. Nunca ninguém me pagaria o preço que paga na loja, mas acontece que lá é loja de shopping. Uma vez a gerente me pediu para não fazer peças acima de determinado preço porque ficava mais difícil delas colocarem 100% em cima e aí eu ganhava mais que eles. Respirei fundo e expliquei a ela que no meu preço tinha todo o material gasto, então de forma alguma eu ganharia mais que ela, ao contrário, ela colocando 100% ganhava muito mais que eu sem ter nenhum trabalho a não ser colocar na vitrine, embalar e receber o pagamento. Entendeu? aff
Uma vez uma pessoa me perguntou o preço de uma caixa e eu dei: R$15,00. Ela me disse: mas outro dia eu vi igualzinha por R$10,00! Disse-lhe euzinha: E por quê não comprou????
A Elaine colocou um outro ponto super importante: trabalho doméstico não é trabalho! Nossa! Trabalho de casa não acaba e raramente é reconhecido. Mil vezes trabalhar fora do que ficar em casa cuidando dela e tudo que envolve a família. Não é a toa que não se cansa de falar da dupla jornada e de como é difícil. Sim, para muitos mulher em casa é dondoca e não faz nada. Você pode ter empregada, faxineira e tal que o que não vai faltar é trabalho para você.
Sim, as pessoas estão sempre julgando e na grande maioria das vezes sabem o que é melhor para você. E eu vou falar mais sobre isso, ah se vou! :)
Uma ótima semana !!!!

5 de fev de 2010

Sete e meia da manhã eu já estava na rua indo ao supermercado que fica a dois quarteirões da minha casa. Só mesmo nesse horário, pois dá para andar na sombra e não está o calor desesperado que tem feito. O relógio na rua já marcava 28 graus. No Rio tem feito 40 graus mas a sensação térmica chega perto dos 50 graus.
No caminho encontrei com um senhor que sempre estava na mesma van que eu pegava para ir ao trabalho. Ele me disse que se aposentou e que virou um vagabundo, e perguntou se eu também. Eu disse que não voltei a trabalhar fora, que estava trabalhando em casa com artesanato e ele me respondeu que eu tinha que trabalhar. Respondi:
- Mas eu trabalho e muito fazendo artesanato.
- E ganha dinheiro?
- Não como eu ganhava, aliás bem menos, mas sou bem mais feliz.
- Mas tem que trabalhar - ele insistiu.
- Mas eu trabalho pelo menos 10h por dia.
Ele bateu no meu ombro já indo embora e repetiu: - Tem que sair e trabalhar.
Lá fui eu para o mercado pensando em como as pessoas julgam as outras, em como sabem o que é melhor para o outra, sem ao menos ouví-la. Como o mundo está cheio de donos da verdade e vazio de respeito pelo outro, por suas escolhas, pelo seu jeito de ser.