6 de mai de 2011

o direito de escolha e o respeito ao próximo

Ter sua opinião, é um direito seu, e respeitar a opinião do outro é uma obrigação. Infelizmente vemos grandes discussões e acusações entre grupos que pensam diferente. Você pode ser firme naquilo que acredita, defender sua opinião, sem precisar ser agressivo. Sim, tá certo que tem hora que você ouve/lê tanto absurdo que fica difícil ficar calado, sei bem como é.



Claro que hoje estou falando isso por conta da votação de ontem no Supremo Tribunal Federal, onde foi aprovada por unanimidade, a união estável entre homossexuais. 
Você é contra, seja pelo motivo que for, é sim um direito seu, assim como é um direito deles, homossexuais, lutar por isso. Na prática, isso significa que as regras que valem para relações estáveis entre homens e muheres seram aplicadas também aos casais gays.     
"De acordo com o Censo Demográfico 2010, o país tem mais de 60 mil casais homossexuais, que podem ter assegurados direitos como herança, comunhão parcial de bens, pensão alimentícia e previdenciária, licença médica, inclusão do companheiro como dependente em planos de saúde, entre outros benefícios."
Eu tento sempre ter um olhar para pessoas, independente do que são, do que acreditam, do que vivem. Para mim comportamento é algo que observo muito. Não gosto de gente que faz tudo para aparecer, para agredir o outro com seu comportamento, não gosto de gente esparafatosa, não gosto de gente que não respeita o outro, não gosto de exageros... E isso tudo não é só para casais homossexuais, é para qualquer casal, não é só para gays, mas para qualquer pessoa. Digo isso porque posso ver um casal homo e não gostar do comportamento, mas não porque são homo, mas pelo comportamento em si, entenderam? Conheço casal homo que são mais fiéis entre si, que têm uma relação de amor e respeito que muito casal hetero não tem. E por isso eu acredito sim, que casais homossexuais podem sim adotar crianças e criá-las melhor que casal hetero sem que isso influencie na opção sexual da criança.

O grande motivo da discussão sobre isso, é religioso. Mais uma vez Deus é usado para agredir os outros. Mais uma vez é em nome de Deus que se acusa e julga. A primeira coisa que tenho comigo em relação a isso é que Jesus disse para não julgarmos, pois da mesma forma que julgarmos seremos julgado. O povo vai lá pro antigo testamento buscar motivos e esquece que Jesus veio para mudar o "olho por olho, dente por dente" e pregar amor. Só Ele tem o direito de julgar, pois só Ele conhece o coração de cada um, os motivos de cada filho. Se eu fizer algo que seja considerado errado, pecado, sou eu e mais ninguém, que prestará contas disso. Gente que julga, principalmente sem conhecer o assunto, a pessoa, peca tanto ou mais.
Eu respeito a opinião de quem é contra, de quem se choca com isso, é um direito dele também. O que sou contra é agressões e falta de respeito, e isso vale para qualquer pessoa, seja qual for a opção sexual dela. Eu entendo bem as pessoas que encontram dificuldades em aceitar isso, a grande maioria é por conta da educação que tev, dos valores que lhes foi ensinado. É tão difícil para um filho dizer e assumir perante seus pais que é homossexual, como é para os pais aceitar e entender, porque ninguém pensa nisso quando seus filhos nascem.
Minha sobrinha,por exemplo, foi criada desde pequenininha sabendo dessas diferenças e principalmente aprendendo a respeitá-las, vendo os homossexuais como pessoas e como qualquer outra, pode ser uma boa ou má pessoa, independente da sua opção sexual.

Ninguém deixou de ser homossexual, porque a união deles não era reconhecida por lei, então nada mais justo que tenham os mesmos direitos que os heterossexuais. Estou muito orgulhosa e feliz com o resultado da votação de ontem. Minha vida, nem a sua, que também é hetero, vai mudar por conta disso, mas a de muitos casais vão e prá melhor. Não vou mais ler notícias que mostra que um homossexual, com uma união estável morreu e ao invés do seu companheiro (a) ficar com a herança, com o que eles construiram juntos, vem a família, que era contra e reclama seu direito sobre essa herança.

Então, em nome de Deus que você acredita, respeite a opção do seu próximo.

Onde há sociedade há o direito. Se a sociedade evolui, o direito evolui. Os homoafetivos vieram aqui pleitear uma equiparação, que fossem reconhecidos à luz da comunhão que tem e acima de tudo porque querem erigir um projeto de vida. A Suprema Corte concederá aos homoafetivos mais que um projeto de vida, um projeto de felicidade”, afirmou Fux.
“Aqueles que fazem a opção pela união homoafetiva não podem ser desigualados da maioria. As escolhas pessoais livres e legítimas são plurais na sociedade e assim terão de ser entendidas como válidas. (...) O direito existe para a vida não é a vida que existe para o direito. Contra todas as formas de preconceitos há a Constituição Federal”, afirmou a ministra Cármen Lúcia.
“Estamos aqui diante de uma situação de descompasso em que o Direito não foi capaz de acompanhar as profundas mudanças sociais. Essas uniões sempre existiram e sempre existirão. O que muda é a forma como as sociedades as enxergam e vão enxergar em cada parte do mundo. Houve uma significativa mudança de paradigmas nas últimas duas décadas”, ponderou Joaquim Barbosa.
“O reconhecimento hoje pelo tribunal desses direitos responde a grupo de pessoas que durante longo tempo foram humilhadas, cujos direitos foram ignorados, cuja dignidade foi ofendida, cuja identidade foi denegada e cuja liberdade foi oprimida. As sociedades se aperfeiçoam através de inúmeros mecanismos e um deles é a atuação do Poder Judiciário”, disse a ministra Ellen Gracie.

Fonte: Globo.com

Hoje republiquei as postagens de junho e julho de 2007. Para ler clique no mes.


4 comentários:

  1. que todo mundo tenha o direito de tudo, igualmente. seja branco, preto, gay, gordo, magro, não importa.

    viva a igualdade e o direito de cada um, é ou não é?
    bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  2. Ao menos na lei (sentido amplo, direitos e deveres) o Brasil caminhou brilhantemente! As cabeças e corações das pessoas ainda têm um caminho a fazer, mas farão, até a igualdade de direitos e deveres para todos. Será lindo pra humanidade! Bjao.

    ResponderExcluir
  3. Luci,
    Eu penso como você. A minha vida não muda em nada por causa da aprovação da lei. Nem minhas convicções. E quer saber? Se alguém acha que a vida vai mudar porque um casal gay vai passar a ter direitos, então essa pessoa tá com problemas rsrsrs
    Sobre adoção: é ignorância achar que casais homoafetivos vão "influenciar" crianças. Se assim fosse não haveria gays no mundo porque os gays nascem como? De pai e mãe hetero, não é?
    Eu, ao longo da vida, tenho mudado em muitas coisas. E hoje eu acredito firmemente que o que tem que ser nasce feito. Vejo meu sobrinho, nem fala direito e já tem atitudes típicas de menino. Assim como acompanhei 2 meninos, que desde o momento em que se firmaram para dar o primeiro passo, eram sim mais delicados. E ainda tem os casos em que não há afetação alguma, e ainda assim a pessoa é homossexual. Acho que cada um nasce do jeito que é. E se nascemos como somos, que sentido tem em julgar e condenar? Aliás, quem sou eu pra dizer que isso ou aquilo é certo ou errado? Que conheço eu do mundo?
    Vamos ser felizes, né? Viver e deixar viver.
    Belo texto, querida.
    Beijosssss

    ResponderExcluir
  4. O maior mandamento Luci é "amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmo" uma pessoa que maltrata a outra, julga, machuca, exclui, expulsa de casa e sabe-se lá quantas outras coisas estupidas só por sua sexualidade não conhece Deus... Sou cristã sim, mas deixo a Deus o direito de condenar os seres humanos e fico comigo o dever de amar, independente de qualquer coisa!

    ResponderExcluir