12 de jul de 2011

A difícil arte de ser você mesmo

Ultimamente tenho pensado muito sobre o comportamento humano tentando entender algumas coisas. Quanto mais penso e observo, só piora e aumenta meu questionamento. Não questiono apenas o comportamento do outro, mas principalmente o meu.
Ontem a noite limpando emails arquivados encontrei esse que a prima querida, Raven, me mandou e decidi postá-lo aqui para dividir.

A difícil arte de ser você mesmo

Você já se perguntou por que é tão difícil ser você mesmo?
Na realidade buscamos seres humanos iguais ou semelhantes a nós, pessoas com as mesmas opiniões, sentimentos, valores e crenças, por isso a diferença nos outros nos incomoda tanto, eles traem nossos princípios, logo julgamos que devem estar errados e lhes falta experiência ou conhecimento para evoluir até o nosso estado de grandeza.
Poucas pessoas possuem a coragem de realmente ser elas mesmas, a pressão contrária é muito grande e assim a maioria tenta se adequar ao comportamento social vigente e assim aos poucos se transforma naquilo que não é, afundando-se em falsas palavras, atitudes e sentimentos, causando aos outros uma sensação de sempre estarmos senhores da situação. Pura ilusão.
A cada dia distanciamo-nos um pouco mais de nós mesmos, e como numa neblina, um vazio frio e úmido passa a nos envolver. Nossos dias começam a se tornar tristes, nossas amizades vazias, pois nos enterramos em conceitos que não são nossos para parecer agradáveis aos outros, esquecendo de nossa verdadeira essência.
Numa de minhas viagens encontrei com um morador de rua que sempre estava no mesmo lugar, não pedia nada, apenas olhava para o horizonte, um dia parei, lhe dei um sanduíche e sentei para conversar. Ele me contou sua historia, família, trabalho, amigos, ouvi com atenção e finalmente lhe perguntei o que havia lhe acontecido para ele decidir viver assim, nunca esqueci a sua resposta:

"Eu me perdi de mim mesmo".

Quantas pessoas estão hoje perdidas de si mesmas, vivendo valores, crenças, sentimentos e metas coletivas que não são suas, tentando alcançar um modelo de ser humano que a maioria das pessoas prega, mas não pratica.
Quantas pessoas magoam-se a si mesmos pelo temor gerado diariamente pela sociedade de que alguém possa rir de você, o medo de perder algo ou alguém, que percam o respeito por você, medo da rejeição ou mesmo para não magoar os outros.
Você já parou para pensar o quanto estes medos e ferramentas de manipulação limitam os seus talentos.
Segundo Ralph Waldo Emerson você deve insistir em si mesmo; nunca imite. Seu próprio talento você pode apresentar a cada momento com a força acumulada pelo cultivo de uma vida inteira; mas do talento adotado de outra pessoa você tem apenas uma extemporânea posse parcial. Faça o que foi designado para você, e nenhuma esperança ou ousadia poderão ser demais.
Lembre-se, ninguém é perfeito, você possui qualidades e defeitos como todos os demais seres humanos e por isso devemos aprender a conviver com eles e aceita-los. A beleza e a diferenciação humana estão justamente nestas imperfeições, "até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro diria Clarice Lispector.
Também esqueça a diplomacia, ser diplomático significa ser outra pessoa. Quer melhor sinônimo para hipocrisia do que, diplomacia? Seja simplesmente você mesmo! Não minta para si mesmo. Você não merece!
Não precisa temer uma punição. Porque temos que ser assombrados pelo medo do julgamento alheio?
Ser você mesmo é uma tarefa difícil e exaustiva. É uma tarefa diária, pois a todos os momentos sofremos influências profundas para, de alguma forma, reconstruir nossa personalidade seja da família, da escola, da Igreja, da empresa, do clube, dos amigos e dos inimigos.
Mesmo com este processo de reconstrução constante não somos aceitos pelo que somos. Somos aceitos pelo que os outros querem que sejamos. E então, mudamos. Vivemos mudando. Mudamos nosso jeito de falar, de se vestir, de ver o mundo, nossos gostos musicais, nosso modo de se divertir e de repente você acorda numa manhã qualquer e não se reconhece mais. È neste momento que você descobre que se perdeu de si mesmo.

Tenho consciência de que mudar é a nossa única certeza na vida, é inevitável desde que isso seja feita para o seu próprio desenvolvimento pessoal, não para agradar os outros ou construir personagens politicamente corretos.
Como diria Pablo Picasso "qualquer outro terá todos os meus defeitos, mas nenhuma das minhas virtudes."
Assuma o seu "EU" verdadeiro, pare de representar papeis socialmente corretos, crie o seu próprio espaço, solte as rédeas do seu verdadeiro talento. Acredite em si mesmo, aceite seus defeitos e qualidades e siga em frente.


A cada bela impressão que causamos, conquistamos um inimigo. Para ser popular é indispensável ser medíocre
Oscar Wilde

(Roberto Recinella - administradores )

8 comentários:

  1. Isso é bom. Temos paz interior, mesmo tendo a consciência de que para fulano(a) e beltrano(a) regredimos, nos tornamos chatos e piores. Que importa? Melhor que ficar com o coração apertado tentando agradar a todos e não conseguir do mesmo jeito. Rá! Eu continuo a mesma, sabe? Porém mais consciente de mim mesma, menos perdida. Nada melhor do que descobrir o que realmente somos, para ser o que somos sem medo. Afinal como ser nós mesmos quando não nem nos conhecemos? E o mundo tão globalizado e relativista só nos faz perder ainda mais de nós mesmos. Aff... Isso dá um post rs...
    Paz e bênçãos!

    ResponderExcluir
  2. Luci,

    Um belo texto!

    A vida da gente resume-se nisso: conhecer-se e ser o mais honesto possível consigo. Podemos ludibriar o mundo, mas não conseguimos nos ludibriar, se tentamos por muito tempo, acabamos ficando tristes...tristes!

    Girassóis nos seus dias!

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Olá Luci, adorei o texto!
    A gente pode enganar os outros mas não à nós mesmo!
    Bjks
    Marília

    ResponderExcluir
  4. Não queremos agradar a nós mesmos mas a outros....

    Ai é o começo meio e fim.

    Bjo Luci

    ResponderExcluir
  5. Você tem toda a razão. Eu sou 100% eu mesma sempre..... e tem gente que fica muito incomodada com isso. Mas não sei fingir. Costumo ficar no meu canto para evitar atritos, mas se perguntam dou minha opinião... e às vezes não me entendem.....kkkk. Fazer o quê? Eu sou EU e pronto.
    bjs
    Sônia

    ResponderExcluir
  6. Luci,
    adorei o texto. Realmente é tão dificil sermos nós mesmo... É uma luta diária minha para tentar ser eu com meus defeitos e que os outros que tentem se adequar a mim e não ao contrário. Um dia consigo!
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir
  7. Oi Luci!

    Para sermos nós mesmo é preciso muita segurança e maturidade. Pois nem todo mundo compartilha das mesmas ideias e pensamentos, e não sendo segura o que fazer quando alguém vai contra "nossos princípios?" Mudar de ideia, voltar atrás no que foi dito, mudar de postura, - e com isso assinar o atestado de sem personalidade - ou manter se firme, e se por acaso mudar de ideia que isso tenha partido de vc e de forma natural, não pela pressão da 'culpa'?
    Eu sou meio insegura, assumo, se disser o contrário não serei eu mesma, porém, estou prestando mais atenção a isso. Porque eu defendendo meu pensamento e outro discordando deve significar que eu estou errada e a pessoa sempre certa?
    Por que esse medo de levar tudo até o fim se é isso que acredito?
    Por que ter medo que alguém descubra meus defeitos e falhas (que são muitos)?
    Quer saber, Luci, dane-se, não é? Defeitos quem não os tem? Que prevaleça o respeito, pois quem nos ama não deixará de amar levada ao radicalismo... Se deixar nunca deveria ter dito que ama então.

    Me deixei muito levar pelo peso de algumas palavras como: Odeio pessoa que... Quero distância de pessoa que... Isso mostra um pouco do desrespeito pelas escolhas das pessoas. E eu querer ser diferente do que sou pelo medo de ser odiada ou desprezada, representa um desrespeito maior ainda por mim mesma.

    Em alguns muitos pontos queria ser diferente mas não sou, mas tb vejo que tenho qualidades que poucos tem...
    O perigo é o exagero que inclina para um lado só.

    (Não repare se não tiver sentido algum nesse comentário) ...
    Mas, não tem ideia como seu post me ajuda.

    Beijosssssssssss

    ResponderExcluir
  8. Precisava ler esse post hoje. Obrigada.

    ResponderExcluir