31 de mai de 2011

mudando para aproveitar melhor

Cada pessoa tem seu jeito de funcionar e é importante respeitar isso e usar a seu favor. Eu, de vez enquando preciso fazer um pit stop e dar uma mexida na forma como estou vivendo.Aprendi a fazer isso e não me arrependo e nem me preocupo se me acham doida. Não, não fui sempre assim, fui aprendendo, enfiei os pés pelas mãos, mas fui buscando o equilíbrio. 
Sexta e sábado tomei diversas decisões e as coloquei em prática. Era hora de mudar, tanto na vida virtual como na vida real, que para mim se encontram, se complementam. Reclamamos que o tempo é pouco, mas até onde nós o usamos mal? Eu estava fazendo isso, gastando tempo com coisas e pessoas que não mereciam mais minha atenção e deixando de dar atenção a coisas e pessoas que gosto muito. Meu trabalho, família, amigos queridos, minha casa e até eu mesmo merecendo mais atenção.
Eu fiz muitos planos para esse ano, como por exemplo dedicar o mes de janeiro a novos projetos do meu trabalho. Porém logo no início veio a tragédia da região serrana e eu entrei de cabeça. Nos 2 primeiros meses, 85% do meu tempo foi dedicado a ela. Só com emails eu vinha gastando um tempo muito grandee nem sempre proveitoso. Muita gente acha que parei com a campanha por conta de não estar recebendo doações, mas não é tão simples assim. Em compensação muito aborrecimentos e não é de agora, porque gente é um bicho difícil e alguns extrapolam. Com o acúmulo das coisas, que não vou perder tempo enumerando, o prazer e a alegria foram diminuindo. Você cansa física e mentalmente e aí o emocional vai sendo atingido também. No sábado me afastei do twitter, aquele vício danado. Por não estar bem, estava menos paciente e já de saco cheio de ler e ver certas coisas. Já havia desabafado num dos blogs sobre as encheções de saco na blogosfera. Blogs que eu acompanhava e há tempos não vou lá, amigas que fui perdendo o contato...Isso estou citando as coisas da vida virtual, que vocês conhecem melhor
Desde sábado venho reorganizando as coisas na minha cabeça e fazendo outras para as coisas ficarem melhor e meu tempo ser melhor aproveitado. Exemplos? Deletei muitos blogs da minha lista, parei de seguir metade do povo que seguia no twitter, e isso quer dizer mais de 300 perfis. Sei os blogs que quero visitar sempre, das amigas que quero visitar, que quero trocar email, que quero bater um bom papo no msn. Quero blogar com prazer, quero executar novos trabalhos, fazendo técnicas que tanta gente já está cansada de fazer e eu nunca peguei. Quero cuidar da minha casa que hoje eu olho e não tem a minha cara, espaços que precisam ser arrumadas e reorganizadas.Ah quero uma porção de coisas e para isso tenho que ter foco e aproveitar bem o meu tempo.
Vou continuar com a campanha pro abrigo de Nova Friburgo, só que de uma forma diferente porém mais proveitosa. Muitas amigas se dispuseram a continuar comigo e juntando só gente positiva, que realmente quer ajudar, vai ser muito melhor.
Eu não demoro muito tempo para resolver tudo comigo e com isso depois desses poucos dias, sabendo o que quero e o que preciso mudar já me sinto mais leve e pronta. Hoje, por exemplo, consegui acertar uma série de coisinhas da minha vida pessoal que estava empurrando, deixando prá depois. 
Não podemos perder as rédeas de nossa vida, não podemos acomodar. Sempre que necessário temos que parar, sacudir, peneirar, mudar o caminho, pois só assim a vida tem  mais sentido e somos mais realizados.


30 de mai de 2011

sente e pense...

"Às vezes, quando se está furioso com alguém,
sentar e pensar sobre o problema 
pode ajudar bastante!"


Chema Madoz

Gente criativa é o que há!
Através de um email que recebi de uma amiga, conheci o trabalho de Chema Madoz e fiquei fascinada. Fotógrafo espanhol, é especialista em imagens surreais em preto e branco. Confira!





























Mais sobre ele AQUI

29 de mai de 2011

Os Kennedys

Você sabe quando tomou decisões certas quando se sente mais leve, mais tranquila ao após tomá-las e executá-las. Você pode até sofrer no momento, mas depois vem a sensação boa. E é assim que stou me sentindo, mais leve, mais solta e até fazendo planos. Com isso o sono anda melhor e tenho conseguido dormir mais e melhor.
Pleno domingo, eu no meu terceiro sono, 9:36h acordo com telefone fixo tocando. Levanto aos tropeções e corro até a sala prá atender, sem conseguir abrir os olhos direito. Era irmão... ah irmão que já pedi tantas vezes prá me ligar pelo celular que fica do meu lado, mas não tem jeito, liga pelo fixo. Ele me convidando prá ir ao CADEG comer bolinho de bacalhau. Semana passado eu tinha dito a ele que queria ir lá comprar terra e mudas e ele tentando me agradar fez o convite. Porém eu não funciono assim...
Primeiro eu lembrei do tumulto e falação que é no lugar onde se come os bolinhos,  e para quem ainda estava tentando acordar, não bateu bem. Segundo que é fácil para o outro que acorda, faz suas coisas e toma a decisão de onde ir. Agora, eu ter que levantar e já sair me arrumando e tal prá fazer algo que acabei de saber, não é legal, tenho meu tempo e tenho procurado respeitá-lo ao máximo. Para funcionar bem quero saber pelo menos na véspera. Já corri muito na minha vida, quero mais não. Ou seja, convite recusado.

Tirei uns dias de pura preguiça, é como um tempo para começar nova fase. Sexta e ontem só comi, dormi, bloguei e tuitei. A única obrigação é responder o monte de emails que estão na caixa de entrada, mas creio que hoje termino isso. Nessa preguiça teve bom tempo debaixo do edredon assistindo episódios de séries e minisséries. 
O site onde baixo os episódios das séries que eu acompanho, também tem uma lista de minisséries, que muito provavelmente nuca passarão aqui. Já assisti algumas e gostei demais. Ontem assisti Os Kennedys. Adoro conhecer detalhes da história que não é contada. Mesmo sabendo que é romanceada, os fatos são verdadeiros. Com a minissérie conheci Joe Kennedy, o patriarca da família, de quem nunca havia lido nada. Eu não gosto muito de comentar o que assisto e recomendo para não tirar as surpresas, com isso também não sou de ler resenhas de livros nem comentários sobre filmes. Gosto de me surpreender ao máximo. Então vou só deixar a sinopse do site:

"A história acompanha a vida de John e Robert Kennedy e seus relacionamentos com suas respectivas famílias, bem como com o pai, Joe, e a influência que ele exerceu sobre os filhos, exigindo deles a realização de seus próprios sonhos. Situada no início do ano de 1960, a minissérie inicia com a eleição de John, terminando em 1968, com o assassinato de Robert. A narrativa intercala o presente com o passado, mostrando a juventude dos irmãos. Fatos históricos como a invasão da Baía dos Porcos, a crise de mísseis de Cuba e a luta pelos direitos civis foram introduzidos como pano de fundo."


A única coisa que me incomodou foi Katie Holmes fazendo papel de Jackie Kennedy, não rolou...

Se quiser baixar os episódios é só clicar AQUI.

Um ótimo domingo!

28 de mai de 2011

Estou aqui republicando mais posts antigos e me deparei com esse que foi publicado exatamente 3 anos atrás e ainda é atual na minha vida


"meu coração não se cansa de ter esperança de um dia ser tudo que quer..."

essa frase da música de caetano tem estado presente nos meus pensamentos há alguns dias
e eu me pergunto: o que meu coração quer ser?

ele quer amar e ser amado
ele quer compreender e ser compreendido
ele quer ser feliz e fazer feliz
simplesmente isso... mas seria "simplesmente"?
coisas que parecem fáceis, mas não é....
enquanto isso...

27 de mai de 2011

o afogado mais bonito do mundo

post publicado inicialmente em 09/02/08

Acabei de reler esse texto e achei que vocês gostariam de ler e vim postar aqui. Tentei encontrar o conto completo do Gabriel, mas não consegui. Boa leitura! Ah se alguém tiver o conto completo e puder me mandar, agradeço.

O afogado mais bonito do mundo.
RUBEM ALVES

"SOU ANTROPÓFAGO. DEVORO livros. Quem me ensinou foi Murilo Mendes: livros são feitos com a carne e o sangue dos que os escreveram. Os hábitos de antropófago determinam a maneira como escolho livros. Só leio livros escritos com sangue. Depois que os devoro, deixam de pertencer ao autor. São meus porque circulam na minha carne e no meu sangue. É o caso do conto "O Afogado Mais Bonito do Mundo", de Gabriel GarcíaMárquez. Ele escreveu. Eu li e devorei. Agora é meu. Eu o reconto.
É sobre uma vila de pescadores perdida em nenhum lugar, o enfado misturado com o ar, cada novo dia já nascendo velho, as mesmas palavras ocas, osmesmos gestos vazios, os mesmos corpos opacos, a excitação do amor sendoalgo de que ninguém mais se lembrava...
Aconteceu que, num dia como todos os outros, um menino viu uma forma estranha flutuando longe no mar. E ele gritou. Todos correram. Num lugar como aquele até uma forma estranha é motivo de festa. E ali ficaram na praia, olhando, esperando. Até que o mar, sem pressa, trouxe a coisa e a colocou na areia, para o desapontamento de todos: era um homem morto. Todos os homens mortos são parecidos porque há apenas uma coisa a se fazer com eles: enterrar. E, naquela vila, o costume era que as mulheres preparassem os mortos para o sepultamento. Assim, carregaram o cadáver para uma casa, as mulheres dentro, os homens fora. E o silêncio era grande enquanto o limpavam das algas e liquens, mortalhas verdes do mar. Mas, repentinamente, uma voz quebrou o silêncio. Uma mulher balbuciou:"Se ele tivesse vivido entre nós, ele teria de ter curvado a cabeça sempre ao entrar em nossas casas. Ele é muito alto...".Todas as mulheres, sérias e silenciosas, fizeram sim com a cabeça.
De novo o silêncio foi profundo, até que uma outra voz foi ouvida. Outra mulher..."Fico pensando em como teria sido a sua voz... Como o sussurro da brisa?
Como o trovão das ondas? Será que ele conhecia aquela palavra secreta que, quando pronunciada, faz com que uma mulher apanhe uma flor e a coloque no cabelo?" E elas sorriram e olharam umas para as outras. De novo o silêncio. E, de novo, a voz de outra mulher... "Essas mãos.... Como são grandes! Que será que fizeram? Brincaram com crianças? Navegaram mares? Travaram batalhas? Construíram casas? Essas mãos: será que elas sabiam deslizar sobre o rosto de uma mulher, será que elas sabiam abraçar e acariciar o seu corpo?" Aí todas elas riram que riram, suas faces vermelhas, e se surpreenderam ao perceber que o enterro estava se transformando numa ressurreição: um movimento nas suas carnes, sonhos esquecidos, que pensavam mortos, retornavam, cinzas virando fogo, desejos proibidos aparecendo na superfície de sua pele, os corpos vivos de novo e os rostos opacos brilhando com a luz da alegria.
Os maridos, de fora, observavam o que estava acontecendo e ficaram com ciúmes do afogado, ao perceberem que um morto tinha um poder que eles mesmos não tinham mais. E pensaram nos sonhos que nunca haviam tido, nos poemas que nunca haviam escrito, nos mares que nunca tinham navegado, nas mulheres que nunca haviam desejado.
A história termina dizendo que finalmente enterraram o morto. Mas a aldeia nunca mais foi a mesma.

26 de mai de 2011

falar menos e realizar mais, ou pelo menos falar prá contribuir - cruz vermelha

Depois de ter dado uma sacudida lá no Postando sobre Artes, hoje quero falar de uma assunto que há muito tem me incomodado. Vira mexe leio algo sobre o descaso da Cruz Vermelha com as doações feitas para a Região Serrana do RJ.
Cidinha Campos, que é uma sensacionalista de primeira categoria e até virou política, fez uma reportagem sobre o assunto. Também foi noticiado em outros lugares. Porém o discurso dela é impressionante. A repórter chega ao ponto de levantar plásticos que cobrem as doações e dizer que estão camuflando para esconder.. como assim Bial? o plástico não é para tentar proteger? Tentar piorar ainda mais a situação é coisa bem desse tipo de jornalismo.
Minha pergunta é: Todas as pessoas que criticaram a situação já ajudaram a Cruz Vermelha em alguma coisa? Já se voluntariou alguma vez?  
A Cruz Vermelha tem pouquíssimos funcionários, o trabalho é feito por voluntários, que infelizmente são poucos. O espaço é antigo e eles não têm lugar apropriado para armazenar doações. O único lugar coberto alugam como estacionamento para angariar algum dinheiro e poder viabilizar trabalhos sociais que fazem. Eles não têm transporte, sempre se deslocam de ônibus ou o carro de alguém pros lugares ondem fazem esses trabalhos. Na última vez que conversei com a coordenadora, ela estava super feliz porque tinham conseguido uma kombi velha. 
Na época da tragédia da região serrana eu fiz pedido de transporte para que eles pudessem levar doações e graças a Deus surgiu um rapaz que ajudou. Quando as tragédias acontecem surgem caminhões de supermercado, de transportadoras para ajudar, mas depois somem... Assim como os voluntários. Vai lá hoje e me conta quantos voluntários estão lá ajudando em alguma coisa. Para separar e arrumar as roupas, precisa de gente. para carregar peso, precisa de gente. Para limpar olugar, precisa de gente. Para detetizar e desratizar, precisa de ajuda.

Em abril de 2010, quando houve a tragédia no morro do bumba, foi a primeiravez que trabalhei como voluntária na Cruz Vermelha. Escrevi sobre isso aqui no blog. Também fiz um post prá pedir uma ajuda para lá (nesse post) porque fiquei horrorizada com a geladeira que eles tinham na parte de trabalho do voluntariado. Vejam só



E graças a Deus, consegui doações para comprar uma geladeira nova.

D. Cidinha Campos, poderia ter sido muito útil com a reportagem dela. Ao invés de cair em cima da Cruz Vermelha, dizer que era caso de polícia e tal, ela poderia ter mostrado a dificuldade que a Cruz Vermelha tem em realizar seu trabalho, poderia ter chamado a atenção do governo, as 3 esferas, e das empresas, para a necessidade de ajudar a instituição. Mas é aquele velho caso, mais fácil falar mal, isso dá muito ibope, tanto que só se fala disso até hoje.
Isso tudo tem consequencias... Há umas 3 semana pedi um amigo para entregar umas doações lá e não quiseram receber. A ordem é não receber nada desde que sairam as reportagens sobre o assunto. legal, né?
Essa semana uma amiga me encaminhou um email que recebeu e que falava sobre a reportagem e a pessoa dizia que entregava as doações no sbombeiros porque confiava mais. O que ela não sabe é que tudo encaminhado para bombeiros, polícia e outras instituições, são entregues na Cruz Vermelha.

Há tempos eles têm um sonho que não conseguem realizar. Todos os dias tem ônibus na Praça da Cruz vermelha com pessoas que são trazidas de outras cidades para fazer quimioterapia. Essas pessoas passam o dia quase todo por lá, umas esperando as outras para irem embora. Muitos nem tem dinheiro para comer e ficam esperando dentro do ônibus após ter feito as sessões de quimioterapia. Eles queriam poder arrumar uma espaço onde essas pessoas pudessem ficar descansando e/ou fazendo atividades enquanto esperam. Inclusive me convidaram e eu aceitei, que quando tiverem esse espaço se eu ensinaria algum artesanato prá essas pessoas.

A Campanha Solidária é um exemplo. Tenho limite de doações para levar prá Friburgo porque desde a primeira, só a Priscila e seu marido me ajudam com o carro deles. Diversas vezes pedi se mais alguém podia ajudar, disponibilizar transporte e nunca recebi resposta.

Com tudo isso, quero dizer que precisamos ter responsabilidade em criticar as coisas, principalmente se não conhecemos. E mais ainda as pessoas que não fazem nada, ou só fazem prá aparecer, deviam calar o bico.


25 de mai de 2011

receitinhas pro lanche - bolinho de chuva e bolo de salaminho

Como o frio tá aí, chega a hora de uns bolinhos de chuva também :) Por isso estou republicando (postagem anterior em 08/06/07) a receita e junto a do Bolo de salaminho que é uma dilícia :)  aproveita q o final de semana já tá quase chegando.



Esse foi o lanche no final de semana passado. Como a receita de Pastelão, que postei aqui, fez sucesso, vou postar essas também.

Bolo de Salaminho

ingredientes: 1 xc chá de leite - 1 xc chá de óleo - 4 ovos - 3 xcs chá de farinha de trigo - 1 xc chá de salaminho picado - 1/2 colh chá de sal - 6 colh chá de fermento.

- coloque o leite, óleo e os ovos no liquidificador e bata por um minuto.
- numa vasilha, peneire a farinha e o fermento. junte a mistura do liquidificador e misture bem.
- acrescente o salame, o sal e misture.
- coloque numa forma untada e leve ao forno moderado por + ou - 40 min.

Bolinho de Chuva

ingredientes: 3 xcs chá de farinha de trigo - 3 ovos ligeiramente batidos - 50 grs de queijo ralado - 1 colh sobr de fermento em pó - 6 colh sp de açúcar - 1 pitada de sal - 1/2 xc chá de leite - açúcar e canela em pó para polvilhar

coloque a farinha numa vasilha. no meio coloque os ovos, queijo, fermento, açúcar, sal e acrescente o leite aos poucos enquanto vai misturando com o batedor. frite as colheradas (colher de chá) em bastante óleo quente, deixando dourar. depois de escorrer passe na canela e açúcar que devem estar misturados num prato.
a massa está pronta quando começa a fazer bolhas e estourar.

Bom apetite!!!!

23 de mai de 2011

paris.... montmartre

postado originalmente em 06/12/2007

Ah Paris... costumo dizer que se existe reencarnação, eu fui francesa em outra vida... estive lá há 10 anos e voltar agora foi fantástico! Vou começar postando fotos de um lugar que não fui da outra vez: Montmartre...
Montmarte é o bairro boêmio de Paris.

Espero que gostem das fotos que escolhe para postar.

sacre coeur




Paris vista do alto do bairro onde fica a Sacre Coeur

Essa foto tirei sentada num café, tomando um delicioso chocolate quente com croissant









Esse é o trabalho que eu teria comprado....




como uma boa turista não poderia de ter um desenho meu feito por algum artista de lá, né?



vcs conseguem me ver nessa "elfa"? :P


Além de passear pelo bairro, tb fui ao museu de Salvador Dali que fica perto da praça...