17 de fev de 2012

Mil Dias em Veneza

Sinopse : Este livro pode parecer um conto de fadas, mas é uma história de amor verídica - o amor entre uma mulher e um homem, o amor pela comida e o amor por uma cidade. Por muito tempo, Marlena de Blasi resistiu a ir a Veneza. Até que, em 1989, seu trabalho como chef e crítica gastronômica tornou impossível continuar adiando a viagem. Assim que pôs os pés na cidade, ela ficou completamente seduzida. Seu encantamento foi tão grande que decidiu voltar todos os anos. Desde aquela primeira visita, Marlena sempre tinha a sensação de que estava indo a um encontro. Em 1993, o encontro finalmente aconteceu. Ela almoçava com amigos quando um garçom se aproximou e lhe disse que havia uma ligação para ela. Do outro lado da linha estava Fernando, um veneziano que, um ano antes, vira Marlena passeando pela Piazza San Marco e se apaixonara à primeira vista. Alguns meses depois, Marlena largava toda a sua vida nos Estados Unidos e se mudava para Veneza, para se casar com o "estranho", como costumava chamar Fernando. Ele não falava quase nada de inglês. O italiano dela se resumia a algumas palavras relacionadas a comida. Ele abrira mão de seus sonhos e levava uma vida monótona e previsível. Ela era mestre em recomeçar e se reinventar. Ele gostava de tudo muito simples, inclusive as refeições. Ela adorava cozinhar pratos elaborados. À medida que eles superam essas diferenças e Marlena vai se familiarizando com as peculiaridades da cultura veneziana, os leitores são presenteados com uma descrição deliciosa e às vezes cômica de duas pessoas de meia-idade que, apesar de tudo, conseguem criar uma relação maravilhosa. Em Mil dias em Veneza, Marlena evoca vividamente as imagens, os sons e os aromas de uma das cidades mais românticas do mundo e divide com os leitores as receitas que estiveram presentes em alguns dos momentos mais importantes de sua vida.

A primeira coisa que me atraiu no livro foi ser uma história passada em Veneza. Nele conhecemos uma Veneza que não se atém só a Praça São Marcos e gôndolas. Marlena nos apresenta a verdadeira Veneza de uma forma deliciosa. A segunda por ser uma história de amor de pessoas maduras, que é muito diferente dos amores jovens e que muita gente nem acredita que exista. Além de ser uma amor maduro é entre duas pessoas muito diferentes. Mas o amor que surge entre eles é tão forte e sincero que consegue superar todas as diferenças e dificuldades.
Conforme vamos lendo, vamos conhecendo mais sobre Veneza e testemunhando como os dois vão vencendo suas diferenças. É uma leitura leve, gostosa e não temos nenhuma pressa em chegar ao final.
A pior parte do livro é quando lemos sobre a culinária, quando Marlena descreve as receitas, os produtos que usa. Cada vez que isso acontece o estômago clama por atenção. Para nos compensar, no final do livro encontramos algumas das receitas que ela faz para Fernando. 

“- Comecei a seguir você, mas parei porque não tinha a menor ideia do que faria se ficássemos cara a cara. Quer dizer, o que eu poderia lhe dizer? Como poderia dar um jeito de conversar com você? Então deixei você ir. É a minha especialidade, sabe, deixar as coisas passarem. Procurei você no dia seguinte e no outro também, mas sabia que você tinha ido embora. Se ao menos a tivesse visto passeando sozinha em algum lugar, poderia abordá-la, então guardei sua imagem na lembrança. Durante todos esses meses tentei imaginar quem você era e de onde vinha. Queria ouvir a sua voz. Senti muito ciúme do homem que estava ao seu lado - diz ele devagar. - Então, no outro dia, quando eu estava sentado lá no Vino Vino e você virou o corpo de modo que o seu perfil apareceu de leve por baixo do seu cabelo, percebi que era você. A mulher do casaco branco. Então eu estava esperando por você, entende? De certa forma estava amando você desde aquela tarde na piazza.”  (Fernando)

7 comentários:

  1. Que texto lindo,me deu vontade ler o livro!!
    Luci, um bom carnaval ou um ótimo feriado.
    Bjs
    Amara

    ResponderExcluir
  2. Não sou dada a ler romances, mas essa parte que vc separou pra compartilhar, me chamou a atenção...

    bjs

    ResponderExcluir
  3. Luci!
    Apaixonei logo pela capa e história passada em Veneza/Itália, atrai-me muito, devido minha descendência. Parece que entro na história. Parabéns pela resenha e obrigada pela dica.

    Já venho incomodar novamente, mas sei que posso contar com amigos como você.
    Será que pode comentar nessa postagem lá do blog:
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com/2012/02/entrevista-3-escritora-ana-carla-santos.html
    Agradeço de coração obrigada!
    Desejo um carnaval com tranqüilidade e um ótimo final de semana.
    Cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  4. Olá Luci nossa dinda!!!

    Bom dia!

    Linda e maravilhosa resenha e nós da Saleta de Leitura não poderíamos deixar de vir aqui deixar o nosso comentário e agradecimento por nos ter honrado com a prioridade de sua publicação.

    Obrigado !!!

    Beijos e um bom carnaval

    ResponderExcluir
  5. Olá Luci nossa dinda!!!

    Bom dia!

    Linda e maravilhosa resenha e nós da Saleta de Leitura não poderíamos deixar de vir aqui deixar o nosso comentário e agradecimento por nos ter honrado com a prioridade de sua publicação.

    Obrigado !!!

    Beijos e um bom carnaval

    ResponderExcluir
  6. Nossa! Eu acho que já comentei sobre esse livro e posso dizer que amei. Não só a histórias de duas pessoas maduras, mas a culinária e a falta de dialogo ou entendimento entre os dois. Adorei!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  7. Por ser autobiográfico, a gente acaba analisando a pessoa e não o personagem! ;) O que me incomodou mais essa história foi que depois de toda a mudança que ela fez em sua vida, depois de reformar todo o apartamento, Fernando tem uma “crise existencial” e ela tem que largar tudo novamente? Sei não… Mas, "Mil dias na Toscana" é um pouco melhor. Gostei mais e acho que você também vai gostar! Beijus,

    ResponderExcluir