20 de ago de 2013

Para refletir - A difícil arte de ser você mesmo

A difícil arte de ser você mesmo - Roberto Recinella




Você já se perguntou por que é tão difícil ser você mesmo?

Na realidade buscamos seres humanos iguais ou semelhantes a nós, pessoas com as mesmas opiniões, sentimentos, valores e crenças, por isso a diferença nos outros nos incomoda tanto, eles traem nossos princípios, logo julgamos que devem estar errados e lhes falta experiência ou conhecimento para evoluir até o nosso estado de grandeza.

Poucas pessoas possuem a coragem de realmente ser elas mesmas, a pressão contrária é muito grande e assim a maioria tenta se adequar ao comportamento social vigente e assim aos poucos se transforma naquilo que não é, afundando-se em falsas palavras, atitudes e sentimentos, causando aos outros uma sensação de sempre estarmos senhores da situação. Pura ilusão.

A cada dia distanciamo-nos um pouco mais de nós mesmos, e como numa neblina, um vazio frio e úmido passa a nos envolver. Nossos dias começam a se tornar tristes, nossas amizades vazias, pois nos enterramos em conceitos que não são nossos para parecer agradáveis aos outros, esquecendo de nossa verdadeira essência. 

Numa de minhas viagens encontrei com um morador de rua que sempre estava no mesmo lugar, não pedia nada, apenas olhava para o horizonte, um dia parei, lhe dei um sanduíche e sentei para conversar. Ele me contou sua historia, família, trabalho, amigos, ouvi com atenção e finalmente lhe perguntei o que havia lhe acontecido para ele decidir viver assim, nunca esqueci a sua resposta: 

"Eu me perdi de mim mesmo".

Quantas pessoas estão hoje perdidas de si mesmas, vivendo valores, crenças, sentimentos e metas coletivas que não são suas, tentando alcançar um modelo de ser humano que a maioria das pessoas prega, mas não pratica.
Quantas pessoas magoam-se a si mesmos pelo temor gerado diariamente pela sociedade de que alguém possa rir de você, o medo de perder algo ou alguém, que percam o respeito por você, medo da rejeição ou mesmo para não magoar os outros. 

Você já parou para pensar o quanto estes medos e ferramentas de manipulação limitam os seus talentos.

Segundo Ralph Waldo Emerson você deve insistir em si mesmo; nunca imite. Seu próprio talento você pode apresentar a cada momento com a força acumulada pelo cultivo de uma vida inteira; mas do talento adotado de outra pessoa você tem apenas uma extemporânea posse parcial. Faça o que foi designado para você, e nenhuma esperança ou ousadia poderão ser demais. 

Lembre-se, ninguém é perfeito, você possui qualidades e defeitos como todos os demais seres humanos e por isso devemos aprender a conviver com eles e aceita-los. A beleza e a diferenciação humana estão justamente nestas imperfeições, "até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro diria Clarice Lispector. 

Também esqueça a diplomacia, ser diplomático significa ser outra pessoa. Quer melhor sinônimo para hipocrisia do que, diplomacia? Seja simplesmente você mesmo! Não minta para si mesmo. Você não merece!

Não precisa temer uma punição. Porque temos que ser assombrados pelo medo do julgamento alheio?

Ser você mesmo é uma tarefa difícil e exaustiva. É uma tarefa diária, pois a todos os momentos sofremos influências profundas para, de alguma forma, reconstruir nossa personalidade seja da família, da escola, da Igreja, da empresa, do clube, dos amigos e dos inimigos.

Mesmo com este processo de reconstrução constante não somos aceitos pelo que somos. Somos aceitos pelo que os outros querem que sejamos. E então, mudamos. Vivemos mudando. Mudamos nosso jeito de falar, de se vestir, de ver o mundo, nossos gostos musicais, nosso modo de se divertir e de repente você acorda numa manhã qualquer e não se reconhece mais. È neste momento que você descobre que se perdeu de si mesmo.

Tenho consciência de que mudar é a nossa única certeza na vida, é inevitável desde que isso seja feita para o seu próprio desenvolvimento pessoal, não para agradar os outros ou construir personagens politicamente corretos.

Como diria Pablo Picasso "qualquer outro terá todos os meus defeitos, mas nenhuma das minhas virtudes."

Assuma o seu "EU" verdadeiro, pare de representar papeis socialmente corretos, crie o seu próprio espaço, solte as rédeas do seu verdadeiro talento. Acredite em si mesmo, aceite seus defeitos e qualidades e siga em frente.

6 comentários:

  1. É difícil mesmo, amiga, requer concentração e disciplina, pois é tão mais fácil (embora bem doloroso) nos moldarmos à opinião vigente. Gosto de uma filosofia oriental que fala que devemos ser iguais ao bambu, que se flexiona com ventos, mas que permanece firme na sua essência.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Gostei do texto faz refletir várias coisas que penso, a única coisa que eu discordo é que eu mesmo contra minha vontade faço uso do socialmente correto porque já briguei com meio mundo e ando querendo paz. Dias atrás achei que ia ter um surto com um episódio, Ale até se espantou quando eu deixei pra lá e ignorei tal pessoa. Se fosse antes... vixeee. No fim meu silêncio falou muito mais e doeu mais kkk. Muito bom texto.

    ResponderExcluir
  3. Mensagem verdadeira e certa. SDer nós mesmos! beijos,lindo dia! chica

    ResponderExcluir
  4. Lindo texto, me levou a pensar que demorei muito tempo "sofrendo" por não aceitar-me. Hoje já consigo ver meus defeitos e viver bem com eles...somos parceiros. Mas vou te contar é um exercício diario.

    Muita Luz e Paz
    Abraços

    ResponderExcluir
  5. é difícil viver. Como diz minha amiga: viver é fácil, conviver é que é difícil. E é justamente por causa das convivências, dos relacionamentos que podemos cair nesse erro de mudarmos não por nós, para melhorarmos, mas para agradar, para sermos aceitos, para não ofender ou magoar. As poucas vezes que não fui eu, me dei mal, me arrependi, fiquei engasgada, sei lá. Estou mais ou menos na mesma fase da Ju Ramalho - como sou muuuito brava, estopim curto, meu exercício de crescimento e melhora é justamente ser mais paciente, estourar menos, tolerar mais.Não para agradar os outros, mas para vencer esse espinho na carne que tanto me incomoda, pois toda vez que estouro, que brigo, me sinto mal, me dá queda de pressão, náuseas e me sinto no mesmo nível da pessoa com quem brigo, ou seja, alimento a fera que está em mim e que está no outro; quero é matar a fera de fome rsrsrs. MAs é difícil e estou passando por um problema que está exigindo o máximo de mim nessa área... Me sentindo muito injustiçada e humilhada... São os testes da vida... Mas conseguindo passar, talvez até com louvor :) Mil beijos, querida. Belo texto. Obrigada!

    ResponderExcluir
  6. Tava dando uma olhada no seu blog, e admirando seus textos. Quanta verdade em forma de letras e palavras.
    Nos perder de nós mesmos em dado momento da vida é até as vezes necessário, para que possamos nos enxergar "de fora", até sob novo prisma.
    Mas voltar pro nosso eu e nos conectar novamente é essencial.

    Um beijo tão grande quanto meu afeto por voce <3 <3 <3

    ResponderExcluir